Escombros do terremoto viram moeda de sobrevivência no Haiti

Por Natuza Nery PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - As vendas de caixões aumentaram muito no Haiti, mas Yvon Louchart passou a cobrar mais barato desde o desastre que matou alguns de seus amigos e familiares, no último 12 de janeiro.

Reuters |

Como o dinheiro, gourde ou dólar, sumiu de circulação imediatamente após o tremor que atingiu mais de 3 milhões de pessoas, o dono da marcenaria FYB Enterprise alterou rapidamente a natureza de seu trabalho. Trocou a fabricação e reforma de móveis --foco de suas encomendas mensais-- para se dedicar exclusivamente à confecção de ataúdes.

Antes do sismo, vendia um caixão a 2 mil dólares haitianos, o equivalente a 400 dólares norte-americanos. Depois do desastre, reduziu o preço à metade. A depender das dificuldades do cliente, chega a cobrar 200 dólares locais (50 dólares norte-americanos). Essa é sua maneira de ajudar e, ao mesmo tempo, refazer a vida financeira.

"Como as pessoas não têm dinheiro, vendo por qualquer preço", afirmou o comerciante.

Nos últimos dias, ficou comum ver homens carregando urnas funerárias sobre a cabeça. O terremoto elevou os já estratosféricos índices de desemprego. Na capital e nas cidades do interior mais próximas a Porto Príncipe, cada um se vira como pode.

Os escombros agora são produtos comerciáveis. A madeira e as vigas de aço das casas destruídas transformaram-se em matéria-prima da catástrofe. Pessoas roubam material dos escombros para vendê-lo ao ferro-velho. Mais tarde, serão revendidos à população para que reconstrua seus imóveis.

Um grupo de homens que arrancava as vigas de um prédio desmoronado contou que recebe o equivalente a 15 reais, divido entre seis ou sete colegas, para vender aos ferros-velhos na região metropolitana de Porto Príncipe.

Depois de um dia inteiro separando o concreto das vigas com ferramentas caseiras, colocam o material em caçambas e andam sob um sol escaldante por mais de 20 quilômetros. A sucata dá lucro.

Nas feiras livres, há um aglomerado de comida e lixo a céu aberto, desabrigados compram esteios arrancados de árvores para elevar suas tendas no meio da rua. Fazem isso usando lençol e toda qualidade de plástico que sobrou o terremoto.

PRODUTOS INFLACIONADOS

A escassa gasolina passou a ser vendida no mercado paralelo a preços 200 por cento mais caros que antes do terremoto. Donos de caminhonetes que transportam a população --as famosas tap-taps-- deixaram de conduzir passageiros por centavos de dólar para faturar com a venda de galões de combustível.

Nos postos, o preço quase não aumentou, mas conseguir abastecer é um desafio para quem não tem dinheiro sobrando. Muitos recorrem à propina para furar a fila. Com isso, o litro, que sairia em tempos normais por 40 centavos de real, chega a custar 2 reais.

Como boa parte dos haitianos arranha bem o inglês e o espanhol, o mercado da catástrofe inclui também o serviço de guia. Jornalistas do mundo inteiro que vieram cobrir o tremor de magnitude 7 se utilizaram desses serviços em suas coberturas. Pagam em média 10 dólares norte-americanos por ele. Se o guia tiver carro, o valor sobe para 50 dólares, às vezes o triplo disso. De moto, é barato, mas também mais perigoso.

Enquanto poucos têm sorte, a maioria depende da ajuda humanitária para sobreviver.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG