Escassez de alimentos e combustíveis persiste na Argentina

Por Lucas Bergman BUENOS AIRES (Reuters) - A Argentina continua imersa, nesta sexta-feira, em uma inesperada crise de abastecimento de alimentos e combustíveis, provocada por uma paralisação de caminhoneiros, insatisfeitos com o impasse do conflito entre governo e setor agrícola.

Reuters |

Desde a semana passada, os caminhoneiros argentinos bloqueiam diversas rodovias do país para protestar contra a ausência de um acordo entre os produtores rurais o governo após manifestações contra a imposição de um aumento nas tarifas de exportação de grãos.

Nos últimos três meses, o setor agrícola realizou três paralisações comerciais, mas suspendeu oficialmente os protestos à meia-noite de domingo.

Apesar disso, os produtores decidiram manter a inatividade, já que os caminhoneiros continuam com os protestos, alarmando a população argentina, que começa a notar a escassez de alguns produtos básicos, principalmente em cidades do interior.

'Por um lado, não podemos processar o leite que temos armazenado, e por outro, se processarmos os produtos, não conseguiremos transportar', disse ao canal C5N Ernesto Arenaza, diretor da La Serenísima, uma das maiores empresas de produtos lácteos do país.

Arenaza destacou que os caminhões não podem chegar às principais cidades e acrescentou que 'se este conflito não for resolvido a partir da semana que vem, haveria problemas de abastecimento nos mercados da cidade de Buenos Aires'.

Os consumidores sofrem com restrições de supermercados em relação à quantidade de unidades disponíveis para a compra, além da escassez de alguns produtos básicos.

O prefeito da cidade de Buenos Aires, Mauricio Macri, da oposição, não descartou que surjam problemas com as refeições oferecidas em escolas e hospitais caso os protestos continuem.

Outro setor afetado era o de turismo. Houve diversos cancelamentos de viagens de ônibus no principal terminal rodoviário da cidade de Buenos Aires, pouco antes de um final de semana prolongado, devido ao feriado na segunda-feira.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG