Escândalo do leite adulterado atravessa as fronteiras da China

O escândalo do leite adulterado com melamina atravessou as fronteiras da China, atingindo outros países asiáticos e a África.

AFP |

Na China, milhares de crianças estão doentes, entre elas 104 em estado grave, por terem consumido produtos contaminados.

A dimensão do escândalo custou o cargo do diretor de controle de qualidade de produtos da China, Li Changjiang, que apresentou sua demissão ao gabinete e obteve resposta positiva, segundo a agência oficial de notícias Nova China. Ele é a primeira autoridade política a ser demitida nesta crise de segurança alimentar.

Cerca de 53.000 crianças tiveram de ser atendidas no país, das quais 13.000 ainda estão internadas, depois de terem consumido o leite adulterado com melamina, anunciou o ministério chinês da Saúde. Entre as vítimas do escândalo, que começou há 10 dias, 80% têm menos de dois anos de idade.

No exterior, vários países, principalmente asiáticos e africanos, suspenderam as importações do leite chinês e, inclusive, de todos os laticínios desta origem: Bangladesh, Birmânia, Brunei, Burundi, Gabão, Japão e Tanzânia.

Vários produtores recolheram seus alimentos, como a empresa japonesa Marudai Food, que retirou do mercado milhares de pães fabricados com leite fornecido pela Yili, uma das empresas chinesas envolvidas no escândalo.

A melamina, produto químico usado na indústria do plástico, na fabricação de cola ou resina, foi encontrada numa série de produtos derivados do leite.

Domingo, as autoridades de Cingapura anunciaram ter encontrado este veneno potencial nas balas da famosa marca chinesa "coelho branco".

Na sexta-feira, Cingapura suspendeu a importação e a venda de produtos derivados do leite da China depois de descobrir melamina em leites, iogurtes, sorvetes, biscoitos e chocolates.

No Vietnã, mais de 300 litros de leite esterilizado importado da China foram retirados do mercado depois de comprovada a contaminação de diversos produtos com melamina, indicou a imprensa local.

A Agência de Alimentos e Medicamentos sul-coreana anunciou nesta segunda-feira que todos os laticínios procedentes da China serão inspecionados. Serão analisadas 13.600 toneladas de produtos lácteos importados este ano, incluindo leite em pó e leite condensado.

O ministro da Agricultura francês, Michel Barnier, declarou à AFP que a Europa tem que aumentar os controles sobre as importações de alimentos de se proteger de escândalos como o do leite adulterado chinês.

O gigante do setor de alimentos suíço Nestlé indicou nesta segunda-feira que seus laticínios fabricados na China não estão adulterados com melamina, mas que alguns contêm "resíduos" desta substância em proporções inofensivas para o consumo.

O escândalo do leite adulterado chinês revelou uma prática denunciada há vários meses: a adição de melamina em produtos alimentares para falsificar a quantidade de proteínas dos mesmos.

A China vem sendo acusada regularmente por seus produtos alimentares e farmacêuticos de má qualidade ou tóxicos, e seus brinquedos pintados com tinta de alto teor de chumbo, entre outros.

bur/jg/lm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG