Erupção de vulcão força retirada de milhares na Indonésia

Durante a fuga em pânico, uma mulher 56 anos morreu de ataque cardíaco; 6 mil foram realocados em escolas, mesquitas e abrigos

iG São Paulo |

Por causa da erupção do Lokon , 6 mil pessoas foram realocadas em escolas, mesquitas e abrigos emergenciais na Indonésia após serem retiradas das encostas do vulcão, que expeliu rochas, lava e cinzas a mais de um quilômetro de altura. Durante a fuga em pânico, uma mulher 56 anos morreu de ataque cardíaco.

"Essa é a maior erupção que já experimentei", disse Nelson Uada, um dos desalojados pelo fenômeno. "Foi muito assustador. Lava brilhante fluiu como em chamas na escuridão e soou como se estivéssemos em guerra."

Na noite de quinta-feira, uma erupção muito mais forte que as anteriores projetou cinzas, areia e rochas a um altura de 1,5 mil metros, segundo as autoridades. A vegetação foi tomada pelas chamas em um raio de 500 metros em torno do vulcão.

A primeira erupção aconteceu às 22h46 de quinta-feira (12h46 em Brasília), disse Brian Rulrone, funcionário do Centro Nacional de Gestão de Desastres da Indonésia. Ela foi seguida por uma explosão mais poderosa depois da meia-noite (14h em Brasília) e por uma terceira à 1h10 local (15h10 em Brasília).

O vulcão continua ativo nesta sexta-feira, e companhias aéreas voando a 10 quilômetros do cume da montanha foram aconselhadas a desviar seu caminho. Nenhum voo foi cancelado, porém, e as operações no aeroporto internacional vizinho em Manado não foram afetadas, disse Lucky Podaag, um porta-voz do aeroporto.

Com 1.750 metros de altura, o vulcão Lokon está em alerta há quase uma semana, com pequenas erupções diárias. O vulcão fica no norte das ilhas Célebes. Mujiharto, um funcionário graduado do Ministério da Saúde, disse que o governo enviou 60 mil máscaras para a região.

As autoridades indonésias começaram a retirada na segunda-feira, quando foi decretado alerta vermelho no vulcão, e depois que houve a previsão de novas erupções durante os dias posteriores. Os deslocados foram acomodados em um pavilhão de esportes e em várias escolas da região.

A agência de manejo de desastres, que estabeleceu um raio de segurança de 3,5 quilômetros ao redor do vulcão, indicou que não descarta ampliar o limite e retirar mais residentes no caso de prosseguirem as atividades.

Cerca de 30 mil pessoas vivem nos arredores do Lokon, um dos 129 vulcões ativos na Indonésia atualmente, que produziu cinco erupções nos últimos 20 anos. A Indonésia (um vasto arquipélago de 235 milhões) se localiza dentro do denominado "Anel de Fogo do Pacífico", uma área de intensa atividade sísmica e vulcânica.

*Com AP, EFE e AFP

    Leia tudo sobre: indonésiavulcãovulcão lokon

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG