Erro humano e falha técnica podem ter gerado acidente em Madri, diz jornal

Nova York, 3 set (EFE).- Os pilotos do avião da Spanair JK5022, que caiu em Madri em 20 de agosto, não acionaram os aerofólios antes de tentar decolar e um falha elétrica impediu que o alarme avisando sobre isso funcionasse, segundo informa hoje o Wall Street Journal em seu site.

EFE |

Citando como fonte pessoas familiarizadas com a investigação do acidente, o jornal diz ainda que "um suposto mau funcionamento elétrico impediu que (os pilotos) recebessem o sinal de alarme alertando sobre o perigo", o que pode ter causado o acidente que matou 154 pessoas.

O jornal econômico assegura que "dados preliminares obtidos a partir das chamadas caixas-pretas recuperadas dos restos do McDonnell Douglas MD-82 indicam que os dois motores funcionaram adequadamente e que não havia fogo antes do impacto".

No entanto, "os dados registrados do vôo assinalam que os aerofólios do avião, dispositivos situados na parte traseira das asas que dão impulso extra necessário para a decolagem, não estavam abertos, segundo essas pessoas".

"O Wall Street Journal" explica em seu site que essa circunstância "normalmente teria feito disparar um forte alerta na cabine de comando avisando aos pilotos que o avião não estava adequadamente preparado para decolar".

"Nos últimos dias, os investigadores se centraram na teoria de que algum tipo de defeito elétrico ou problemas com o circuito de rádiofreqüencia impediram que o alarme soasse", acrescenta o diário citando as mesmas fontes.

O jornal afirma também que, "segundo uma pessoa com conhecimento dos detalhes" do processo, os investigadores "também estudam porque através do procedimento habitual de supervisão prévio à decolagem não foi detectado que os aerofólios não haviam se aberto".

"Uma pessoa familiarizada com os detalhes disse que os investigadores, entre outras coisas, estão considerando se a tripulação da cabine estava distraída ou com pressa", ressaltou.

"Uma razão para que o alarme automático da cabine não soasse pode ter sido que alguns dos circuitos lógicos do avião enviaram erroneamente sinais de que o MD-82 já estava no ar", comentou.

Segundo o periódico, "o alerta é desenhado para emitir um forte sinal de alarme, mas opera só se os sistemas do avião mostrarem que o aparelho está em terra".

O "Wall Street Journal" diz ter entrado em contato com porta-vozes da companhia aérea e investigadores espanhóis que, no entanto, evitaram se pronunciar sobre os detalhes do processo. EFE mgl/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG