Equipes retomam operação de resgate em navio naufragado na Itália

Mergulhadores voltam ao trabalho enquanto empresa entra em contato com passageiros para garantir reembolso de passagem e despesas

iG São Paulo |

Equipes retomaram nesta quinta-feira as operações de resgate no navio Costa Concordia, que naufragou na Itália na semana passada. As operações para encontrar mais de 20 desaparecidos tinham sido suspensas desde quarta-feira após o navio ter se movimentado.

De acordo com o porta-voz da Guarda Costeira, Filippo Marini, a embarcação foi estabilizada. “Fizemos testes durante a noite que tiveram resultados positivos. Os mergulhadores já estão trabalhando”, afirmou. “Vamos usar microexplosivos para criar mais buracos (no casco), permitindo que eles entrem no navio e procurem mais pessoas.”

Leia também: Comandante vira herói na Itália após dar bronca em capitão

AP
Bombeiros italianos sobem no casco do navio Costa Concordia, que naufragou perto da ilha de Giglio, na Itália (19/01)

Além disso, uma equipe holandesa se prepara para retirar cerca de 2,4 toneladas de combustível que ainda estão no navio, armazenadas em 17 tanques. De acordo com Mike Lacey, da União Internacional de Salvamento, disse à BBC que a operação deve levar tempo.

“Esse tipo de coisa depende muito das condições climáticas: se elas forem ruins, os funcionários não poderão trabalhar”, afirmou, estimando um prazo de duas semanas para o fim da operação. “Eles vão perfurar cada tanque, bombear o combustível e colocá-lo em um tanque.”

Especialistas ouvidos pela BBC acreditam que há pouco risco de um vazamento maior de combustível que chegue a contaminar o local.

Ouça o áudio: Capitão ignorou ordem de retornar ao navio

Também nesta quinta-feira, a Costa Cruzeiros, proprietária do Costa Concordia, anunciou que está entrando em contato com passageiros para reembolsar a passagem e “demais despesas materiais”.

Em nota, a empresa disse que está contatando todos os passageiros para se certificar de que conseguiram retornar para suas casas, que estão em boa saúde e reafirmar que pagará o custo do bilhete de embarque e outros gastos causados pelo acidente.

A Costa Cruzeiros também expressou seu pêsames aos familiares das 11 vítimas e acrescentou que "reafirmará seu empenho e dedicação constante à segurança e à relação com seus passageiros”.

Capitão

Na terça-feira, uma juíza italiana decretou prisão domiciliar contra o capitão do navio Costa Concordia, Francesco Schettino . Ele é acusado de homicídio culposo múltiplo (sem intenção de matar), naufrágio e abandono do navio, crimes pelos quais pode ser condenado a até 15 anos

Segundo a agência AFP, que cita fontes da imprensa italiana, Schettino, que havia sido detido preventivamente no sábado, foi libertado durante a noite e levado a Meta di Sorrento, no sul da Itália, onde cumprirá a prisão domiciliar.

A decisão da juíza do Tribunal de Grossetto, Valéria Montesarchio foi tomada após três horas de interrogatório no qual, de acordo com o advogado de Schettino, o capitão manteve sua inocência. "Ele defendeu seu papel na direção do navio depois da colisão, o que, em sua opinião, salvou centenas, senão milhares de vidas", disse o seu advogado, Bruno Leporatti.

Ele reiterou que não abandonou o navio após o tombamento. Em seu depoimento, segundo o jornal italiano Corriere della Sera, Schettino afirmou que foi lançado ao mar em algum momento depois do choque e não conseguiu voltar à embarcação pelo fato de ela ter ficado em um ângulo de 90º após a colisão.

O depoimento do comandante ocorreu no mesmo dia em que foram reveladas gravações da caixa preta do navio e de ligações telefônicas obtidas pela imprensa italiana que indicam que ele teria ignorado uma ordem da guarda costeira italiana para retornar ao navio e coordenar a retirada dos passageiros e tripulantes.

Com BBC, AFP e EFE

    Leia tudo sobre: itálianaufrágiocosta concordiacruzeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG