Equipes de resgate encontram caixas-pretas de avião etíope

Beirute, 6 fev (EFE).- As autoridades libanesas confirmaram que foram encontradas as caixas-pretas do avião etíope que caiu em 25 de janeiro no Mar Mediterrâneo próximo a Beirute, mas ainda não conseguiram resgatá-las, informou hoje à Agência Efe o ministro de Transporte libanês, Ghazi Aridi.

EFE |

"Foi encontrado o local e agora estão trabalhando ali", insistiu o funcionário. Ele acredita que a curto prazo possam ser recuperadas as caixas-pretas para se verificarem as causas do acidente no qual morreram 90 pessoas.

O ministro Aridi acrescentou que o local se encontra a cerca de 45 metros de profundidade. "Foi definida a localização, mas ainda há passos técnicos pendentes para se chegar ao ponto exato das caixas-pretas", acrescentou.

Além disso, o ministro disse não acreditar que demorem muito as equipes de resgate para poder recuperá-las.

No último dia 27, fontes militares anunciaram que um navio americano, que cooperava nos trabalhos de busca, tinha localizado as caixas-pretas no fundo do mar a cerca de 1,3 mil metros de profundidade. Horas depois, no entanto, disseram que só haviam captado ondas que poderiam provir delas.

O avião da Ethiopian Airlines caiu poucos minutos depois de decolar do aeroporto internacional Rafik Hariri de Beirute.

O acidente foi atribuído ao mau tempo que pairava nos céus de Beirute naquele dia. Até agora, só foram encontrados 16 corpos, além de restos de outros, e apenas 13 deles foram identificados.

Entre as vítimas, está a esposa do embaixador da França no Líbano, Marla Sánchez Pietton.

Participam das buscas navios norte-americanos e franceses, além do Exército libanês e de todos os organismos locais concernidos.

Pouco antes, o ministro Aridi deu uma entrevista coletiva hoje na qual mostrou fotos tiradas do fundo marinho onde se viam manchas de restos do avião.

Anteriormente, fontes militares libanesas tinham dito à Agência Efe que várias partes do avião foram encontradas pelas equipes de resgate próximo ao litoral da cidade de Naame, a 18 quilômetros ao sul de Beirute, e que estavam sendo fotografadas antes de retirá-las. EFE ag/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG