Equipes chegam mais perto de mineradores presos em mina chilena

Com oxigênio apenas para 72 horas, equipes de resgate correm contra o tempo para chegar aos mineradores

EFE |

Copiapó (Chile), 7 ago (EFE).- As equipes de resgate que trabalham na mina de San José, em Copiapó, no deserto chileno de Atacama, passaram as últimas horas abrindo um duto de ventilação pelo qual pretendem chegar ao local onde desde a tarde de quinta-feira 34 mineradores estão presos.

O grupo estaria preso num refúgio a cerca de 300 metros de profundidade. Pelo menos 30 membros das equipes de resgate já conseguiram chegar a 280 metros de profundidade, e agora dez deles tentarão ir até o refúgio.

O ministro da Mineração chileno, Laurence Golborne, disse que as equipes de resgate só sairão hoje depois de ter notícias sobre os trabalhadores presos. Depois dos trabalhos de abertura, os voluntários começarão a descer por dutos de dois metros de largura levando material de resgate e equipamentos para urgências médicas.

Segundo Daniel Espinoza, que trabalhou nos resgates durante a noite, é possível que o contato com os mineradores seja feito por volta das 13h de hoje (hora de Brasília). Cerca de cem parentes dos trabalhadores acompanham as atividades em um acampamento improvisado.

O acidente na mina de San José, propriedade da companhia San Esteban, aconteceu por volta das 15h de quinta-feira. As equipes de resgate correm contra o tempo para chegar aos mineradores, já que, caso tenham chegado ao refúgio, têm oxigênio apenas para 72 horas.

    Leia tudo sobre: acidenteminachile

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG