QUITO (Reuters) - O presidente do Equador, Rafael Correa, disse neste sábado que seu governo não teve nenhum envolvimento em um suposto esquema de suborno ligado a um processo por danos ambientais de 27 bilhões de dólares contra de a petroleira dos EUA Chevron Corp. O juiz responsável, Juan Nuñez, retirou-se do processo dias depois de a Chevron ter fornecido a autoridades norte-americanas e equatorianas um vídeo gravado secretamente do magistrado afirmando que decidiria contra a Chevron no fim deste ano.

"Eles vem com alguns vídeos, mas nós não vamos cair nessa armadilha", disse Correa em um pronunciamento público.

"Nós não temos nada a ver com isso", acrescentou. "A empresa está desesperada. Se alguém participou de uma reunião em nome do governo, nós não sabíamos de nada."

A Chevron informou que um outro vídeo mostra um homem em outro encontro identificando-se como representante do partido do governo do Equador e discutindo o pagamento de uma propina de 3 milhões de dólares por contratos, sendo que o magistrado receberia um terço desse valor. Nuñez nega qualquer irregularidade.

A Chevron reclamou sobre interferências do governo em um caso que já dura 16 anos, no qual comunidades indígenas acusam a Texaco, comprada pela Chevron em 2001, de danos ao meio ambiente e saúde decorrentes de instalações de petróleo.

Correa declarou apoio às comunidades indígenas na questão.

(Reportagem de Hugh Bronstein)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.