Quito, 13 nov (EFE) - A ministra das Relações Exteriores do Equador, María Isabel Salvador, entregou hoje uma nota de protesto ao representante da União Européia (UE) no país, após a decisão de começar a negociação para acordo de associação entre o bloco com Peru e Colômbia sem Equador e Bolívia. Em comunicado de imprensa, a Chancelaria explica que Salvador convocou o encarregado de negócios da Comissão Européia (CE, braço Executivo da UE) no Equador, José Luis Martínez, e o embaixador da França, Didier Lopinot, cujo país preside a UE, e se referiu a essa medida. A chanceler expressou o mal-estar e a surpresa que produziu no Governo do Equador a rapidez com que a Comissão Europa anunciou o início das negociações comerciais bilaterais com a Colômbia e Peru, acrescentou o relatório. Para o Governo equatoriano, esta situação tornou definitivamente inviáveis as ações que ainda estavam sendo realizadas para esgotar (...

) um Acordo de Associação com três pilares: político, cooperação e comércio com flexibilidade, de bloco regional a bloco regional", acrescentou o texto.

Para Salvador, a decisão da UE "evidenciaria uma falta de apoio à consolidação do processo de integração andino".

Diante do anúncio da UE de iniciar negociações com Peru e Colômbia, o Governo equatoriano disse que avançará em um acordo bilateral comercial, mas esclareceu que não tem a ver com "um tratado de livre-comércio".

A chanceler equatoriana tinha qualificado de "balde de água fria" o pedido da Colômbia e do Peru de negociar de forma bilateral com o bloco europeu um acordo de associação, à margem da Comunidade Andina (CAN), pois assegurou que "menospreza" as tentativas de integração.

EFE jc/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.