com muita força contra paramilitares colombianos - Mundo - iG" /

Equador diz que atuará com muita força contra paramilitares colombianos

Quito, 5 nov (EFE).- O Governo do Equador advertiu hoje que atuará com muita força frente às incursões de grupos paramilitares colombianos em território nacional, como a ocorrida no último domingo na província de Esmeraldas (norte).

EFE |

"Não vamos permitir que aqui se reproduza o cenário de muitas áreas da Colômbia. Isso é inadmissível para o Equador, e vamos atuar com muita força", declarou hoje o subsecretário de Defesa de Quito, Miguel Carvajal.

O subsecretário confirmou que no último domingo cerca de 20 pessoas "fortemente armadas", pertencentes ao grupo "Águias Negras" - que tem origens paramilitares -, "se infiltraram por terra até Borbón, a 40 quilômetros da fronteira" norte com a Colômbia.

"Chegaram a Borbón em plena luz do dia e entraram em uma discoteca, com liberdade de movimentos em uma cidade nossa. Buscavam uma pessoa (que não encontraram), e entendemos que para matá-la", completou Carvajal.

Segundo ele, a ação violenta deixou três feridos equatorianos que foram trasladados ao hospital, enquanto os supostos paramilitares "fugiram pelo rio em uma lancha de 200 cavalos de potência".

O mais importante do incidente, afirmou Carvajal, é que não aconteceu "simplesmente na fronteira", e sim "muito dentro do território equatoriano".

O ministro da Defesa de Quito, Javier Ponce, expressou, por sua vez, preocupação diante dessa incursão violenta em território nacional e classificou o fato como "grave".

"O fato nos põe diante de outro aspecto do problema colombiano, que não é somente a presença das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), mas a presença dos paramilitares em nosso território", declarou Ponce.

O ministro informou que pediu à Chancelaria que "intervenha e que exija da Colômbia um maior cuidado" em suas fronteiras.

O Governo do Equador deslocou mais de sete mil militares à região fronteiriça com a Colômbia para evitar a passagem de grupos armados ilegais ao longo dos quase 600 quilômetros de fronteira comum. EFE ic/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG