QUITO (Reuters) - O governo do Equador denunciou nesta terça-feira supostas reuniões de militares aposentados nas quais se utilizam expressões inadequadas, que poderiam degenerar em chamados a uma conspiração contra o presidente Rafael Correa. O ministro de Segurança Interna e Externa, Miguel Carvajal, disse que o governo tem conhecimento de uma reunião realizada há três meses em uma cidade costeira do país, na qual foram utilizadas expressões bastante complicadas por parte de um oficial da reserva.

O vice-presidente da República, Lenin Moreno, se somou à denúncia e assegurou a uma rádio local que tinham conhecimento de uma reunião de militares aposentados que poderiam desestabilizar o governo.

Correa, um líder popular que assumiu seu segundo mandato no início do mês, havia denunciado anteriormente a intenção de diferentes setores de desestabilizar seu governo. Indicou inclusive que poderia ter a mesma sorte que o mandatário hondurenho Manuel Zelaya.

O ministro indicou que no país existe liberdade para qualquer setor se reúna e debata temas políticos, mas sem chegar a declarações que possam atentar contra a estabilidade do governo.

O governo está organizando comitês de defesa para ajudar Correa a defender a estabilidade do país andino.

Os chamados "comitês de defesa da revolução" despertaram críticas em vários setores, sob o argumento de que o mandatário está seguindo os passos da Venezuela e de Cuba ao organizar seus seguidores.

(Reportagem de Alexandra Valencia)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.