Equador adverte Colômbia para que não intervenha militarmente em outros países

O chanceler do Equador, Fander Falconí, alertou nesta segunda-feira a Colômbia para que não intervenha militarmente em outros países para combater o terrorismo, o que poderá dificultar o restabelecimento das relações bilaterais, bloqueadas desde março de 2008.

AFP |

"O governo do Equador reitera a sua rejeição à possibilidade de se aplicar a extraterritorialidade, também denominada guerra preventiva, em territórios soberanos de outros Estados", disse o diplomata ao site Ecuadorinmediato.

Acrescentou que "a guerra preventiva, ou extraterritorialidade, não permite a possibilidade de se explorar este diálogo" com o objetivo de retomar os vínculos, que estão congelados devido ao ataque militar colombiano contra a guerrilha das Farc em território equatoriano de 1o de março de 2008.

Falconí, que está em Brasília em visita oficial, afirmou que para o Equador a extraterritorialidade "não é uma questão negociável, nem com a Colômbia, nem com país algum".

O chanceler enfatizou: "definimos que podemos explorar um diálogo com o governo da Colômbia com base nos princípios e no respeito ao Direito Internacional, e nos requisitos mínimos estabelecidos pelo governo do Equador para o restabelecimento das relações diplomáticas".

str/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG