Equador acusa Colômbia de má vontade na retomada de relações

ESMERALDAS, Equador (Reuters) - O Equador disse na quarta-feira que a Colômbia continua demonstrando má vontade no processo de restabelecimento das relações bilaterais, rompidas há quase seis meses, e pediu a Bogotá que reforce a presença militar na fronteira. A crise entre os dois vizinhos começou em março, depois de um bombardeio colombiano contra um acampamento da guerrilha Farc em território equatoriano, o que resultou na morte do dirigente rebelde Raúl Reyes.

Reuters |

'Não tivemos nenhuma demonstração da Colômbia', disse a chanceler María Isabel Salvador a jornalistas estrangeiros durante visita a uma região amazônica fronteiriça, onde foi apresentar um plano de ajuda a populações isoladas.

No final de julho, a Organização dos Estados Americanos apontara um 'melhor cenário' para a retomada das relações diplomáticas, após meses de recriminações mútuas. As novas declarações da chanceler do Equador indicam, porém, que a solução continua distante.

Quito reconhece que os 600 quilômetros de fronteira com a Colômbia são permeáveis à atividade de guerrilheiros, paramilitares e traficantes, e por isso pede que o governo vizinho reforce a vigilância.

Caso a crise persista, o Equador já ameaçou em várias oportunidades restringir o comércio bilateral, que atinge 2 bilhões de dólares por ano, com balança favorável à Colômbia.

O governo da Colômbia se diz disposto a restabelecer relações, mas Quito condiciona isso a indenizações pela incursão militar 'ilegal' em seu território.

(Por Alexandra Valencia)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG