Epidemia da gripe se estabilizou no México, diz CDC

Washington, 4 jun (EFE).- A epidemia de gripe suína registrada no México já atingiu seu ponto mais alto e agora começa a se estabilizar, informou hoje o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

EFE |

Além disso, o CDC assinalou em um relatório que as características da epidemia no México são parecidas às registradas em outros países e nos Estados Unidos, onde o índice de mortalidade foi consideravelmente menor.

Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPS), o México registrou 5.563 casos, dos quais 103 foram fatais desde o começo do surto da gripe.

Nos Estados Unidos, o segundo país com maior número de mortes, com 17, registrou até agora 11.054 casos confirmados, segundo o último relatório do CDC.

O estudo sobre a atual situação no México foi divulgado por Anne Schuchat, diretora interina do CDC em Atlanta (Geórgia), durante uma conversa com jornalistas.

De acordo com Schuchat, o vírus está agora circulando em um momento em que a atividade é geralmente baixa e parece não estar atacando as pessoas de idade avançada.

Dos 5.563 casos confirmados no México, quase 98% corresponderam a pessoas de 60 anos ou menos.

O CDC também descreveu as medidas adotadas pelo México para controlar o surto e as atividades criadas para localizar a propagação do vírus.

Segundo Schuchat, a evidência epidemiológica sugere que a epidemia teve sua maior força no final de abril.

O CDC advertiu ainda sobre a possibilidade de que os efeitos do surgimento do novo vírus sejam sentidos com mais força no hemisfério sul, onde está começando o inverno e a população não tem imunidade contra o vírus.

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados. EFE ojl/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG