La Paz, 11 set (EFE).- A provisão de gás boliviano ao Brasil foi retomada em 90%, porém manifestantes fecharam totalmente as válvulas para envio à Argentina, informaram hoje à Agência Efe fontes ligadas a petrolíferas.

Uma fonte da empresa petrolífera Transierra confirmou que, no início da tarde, foi solucionado o incidente ocorrido nesta madrugada que tinha levado à suspensão completa da exportação de gás ao Brasil.

Neste momento, a Bolívia está enviando ao Brasil 27 milhões de metros cúbicos de gás, três milhões a menos que o fixado nos contratos vigentes entre ambos os países.

A exportação do resto, os outros três milhões de metros cúbicos, ainda não pode ser retomada, pois continuam as operações para reparar os danos provocados por uma explosão em uma válvula de um gasoduto.

Outra fonte do setor privado petroleiro confirmou que, por outro lado, a exportação de gás para a Argentina, cerca de dois milhões de metros cúbicos diários, foi cortada totalmente hoje devido à ocupação de uma usina por parte de manifestantes.

Este novo incidente aconteceu no sul do país, no departamento (estado) de Tarija, onde foi ocupada a estação de Pocitos por um grupo opositor que obrigou funcionários da Transredes a fechar as válvulas de gás de exportação.

No departamento de Santa Cruz, outro grupo fez o mesmo na petrolífera de Samaipata, o que afetará o envio de combustíveis para a região andina da Bolívia, ou seja, os departamentos de Cochabamba, La Paz, Oruro e Potosí.

Os manifestantes ultrapassaram em todos os casos a vigilância militar imposta pelo Governo nas estações e usinas petrolíferas que quase em sua totalidade estão situadas nos departamentos de Tarija, Santa Cruz e Chuquisaca. EFE ja/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.