Enviados norte-coreanos chegam ao Sul para homenagem a Dae-jung

Por Jack Kim SEUL (Reuters) - As autoridades norte-coreanas enviadas pelo líder Kim Jong-il chegaram à Coreia do Sul nesta sexta-feira para homenagear o ex-presidente Kim Dae-jung em uma ação que pode sinalizar um aquecimento dos laços entre os dois países rivais.

Reuters |

Mas, em um indício do descontentamento da Coreia do Norte com as políticas conservadoras do atual presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, os enviados de Pyongyang deixarão o Sul no sábado, antes do funeral de Estado, para não comparecer a qualquer evento oficial do governo de Seul.

A primeira expedição de enviados norte-coreanos ao Sul nos últimos dois anos ocorre após diversas ações do Norte neste mês para reduzir as tensões depois de conduzir um teste nuclear, lançar mísseis balísticos e ameaçar atacar seu vizinho capitalista do sul em maio.

As seis autoridades da Coreia do Norte chegaram de avião. Os enviados foram ao memorial feito ao ex-presidente e levaram uma coroa de flores enviada por Kim Jong-il e assinada: "Em memória ao ex-presidente Kim Dae-jung".

Eles encontraram com a família de Kim e com antigos assessores do ex-líder da Coreia do Sul, mas não houve menção se eles poderiam encontrar as atuais autoridades do governo sul-coreano.

Kim Dae-jung, vencedor do Nobel da Paz em 2000 por promover o primeiro encontro entre as duas Coreias, morreu na terça-feira aos 85 anos. O funeral ocorrerá no domingo.

A agência de notícias da China Xinhua informou que o chefe nuclear do país, Wu Dawei, visitou o recluso Norte na primeira viagem de alto nível à Pyongyang desde que as discussões sobre o desarmamento da Coreia do Norte foram interrompidas cerca de um ano atrás.

A Xinhua disse que Wu encontrou com seu correspondente norte-coreano, mas não houve informações sobre se ele encontrou com o líder Kim Jong-il durante seus cinco dias de estada.

A China, o aliado mais próximo da Coreia do Norte, apoiou a resolução da ONU condenando o governo norte-coreano devido ao teste nuclear de 25 de maio e aumentando as sanções contra o país, mas tem sido relutante em pressionar por mais ações.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG