Enviado da ONU voltará a Mianmar para mediar entre regime e oposição

Nações Unidas, 15 jul (EFE) - O enviado especial da ONU para Mianmar (antiga Birmânia), Ibrahim Gambari, voltará a visitar o país em meados de agosto para continuar a mediação entre o regime militar e a oposição democrática, anunciou hoje a organização. Sua intenção é visitar Mianmar em meados de agosto, mas ainda não se definiu quando exatamente, nem que agenda terá ou qual será o objetivo da viagem, disse a porta-voz da ONU, Marie Okabe. Ela afirmou que o enviado especial tem interesse em prosseguir o diálogo com a Junta Militar que governa o país e a oposição democrática liderada pela vencedora do prêmio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi. O embaixador birmanês perante a ONU, Kyaw Tint Swe, transmitiu o convite do Governo a Gambari em carta datada de 11 de julho. As autoridades de Mianmar decidiram convidar sua Excelência a viajar em meados de agosto para que prossiga com a gestão de bons ofícios que a Assembléia Geral (da ONU) encomendou ao secretário-geral, indica na carta. A viagem em agosto será a primeira realizada por Gambari ao país desde que, em maio, o ciclone Nargis arrasou o sul da nação, matando 84.500 pessoas e causando o desaparecimento de outras 53 mil.

EFE |

A lenta resposta das autoridades à catástrofe e os obstáculos à chegada de ajuda internacional provocaram novas tensões entre a Junta e grande parte da comunidade internacional, após a critica que os militares birmaneses receberam pela violenta repressão dos protestos do ano passado.

Um dos prováveis assuntos que Gambari debaterá com as partes será a aprovação, em referendo, em maio, depois da passagem do ciclone, de uma nova Constituição elaborada pela Junta Militar que garante a continuidade dos generais no poder.

O documento constitucional recebeu 92,4% dos votos válidos emitidos nos plebiscitos realizados em 10 e 24 de maio.

Também espera-se que o enviado especial da ONU volte a se reunir com Aung San Suu Kyi, após, em maio, o regime ter ampliado a outros cinco anos a prisão domiciliar na qual vive por quase 13 dos últimos 20 anos. EFE jju/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG