Enviado da ONU prolonga estadia em Mianmar para encontrar líder democrática

Bangcoc, 22 ago (EFE).- O enviado especial da ONU para Mianmar, Ibrahim Gambari, prolongará sua estadia no país asiático um dia mais - até amanhã -, depois de a chefe do movimento democrático birmanês e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi não ter conseguido recebê-lo hoje.

EFE |

Gambari já tinha tentado falar com Suu Kyi na última quarta-feira, mas a birmanesa, que está em regime de prisão domiciliar desde 2003, não compareceu à reunião porque não tinha grandes esperanças com relação aos resultados do encontro, segundo a revista "The Irrawaddy".

Hoje pela manhã, o enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, se aproximou da residência de Suu Kyi antes das 8h (locais), mas esta não saiu para atendê-lo, de acordo com a versão de uma testemunha.

Gambari já viajou quatro vezes ao país asiático desde que assumiu seu cargo, sem conseguir aproximar as posições de Suu Kyi e da Junta Militar dirigida pelo general Than Shwe.

Mianmar está sob regime militar desde o golpe de Estado do general Ne Win em 1962. EFE grc/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG