Enviado da ONU conversa com general sobre retorno à ordem na Mauritânia

Nuakchott, 26 ago (EFE).- O representante especial do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para a África Ocidental, Said Djinnit, disse ter tratado do retorno à ordem constitucional no país em sua reunião de hoje com o general Mohammed Ould Abdelaziz, homem forte da Mauritânia.

EFE |

Djinnit conversou com a imprensa ao fim de sua reunião com Abdelaziz, presidente do Alto Conselho de Estado, no poder desde o golpe de Estado de 6 de agosto.

Segundo o representante, Abdelaziz lhe informou sobre "a evolução da situação" depois da revolta que depôs o antigo presidente anterior Sidi Mohammed Ould Cheikh Abdallahi.

"É minha segunda visita a Nuakchott depois daqueles eventos", lembrou Djinnit, ao sair de sua reunião com o general Abdelaziz.

Ele indicou ter "levado ao conhecimento" do novo homem forte de Nuakchott a posição das Nações Unidas, e ter conversado com ele sobre o "que é preciso enfrentar para o retorno à ordem constitucional, em conformidade com o que pediu o Conselho de Segurança e a comunidade internacional".

O representante de Ban se deslocou pela primeira vez à capital mauritana em 9 de agosto, quando se reuniu com o presidente do Alto Conselho de Estado, com partidos políticos e representantes da sociedade civil partidários e opositores do golpe.

Durante aquela primeira visita, o enviado do secretário-geral da ONU apoiou o retorno à ordem constitucional na Mauritânia, e fez um pedido para definir as condições nas quais esse retorno possa ser feito da maneira mais rápida possível.

De Lomé (Togo), onde se encontrava antes de viajar para Nuakchott, Djinnit, qualificou de "regressão democrática" o golpe de Estado, e reiterou a postura da ONU, que coincide com a da União Africana e a da Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (Cedeao), que rejeitam qualquer tipo de mudança não constitucional na África. EFE mo/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG