ENTREVISTA-Hamas busca trégua, exige suspensão do cerco a Gaza

Por Khaled Yacoub Oweis DAMASCO (Reuters) - O Hamas está aberto às iniciativas internacionais para uma trégua em Gaza, mas insiste que qualquer proposta deve garantir a retirada israelense e o fim do bloqueio ao território, disse na segunda-feira um líder do Hamas no exílio.

Reuters |

Moussa Abu Marzouk garantiu que o grupo palestino islâmico prefere continuar lutando uma guerra desigual com Israel a retornar à situação de bloqueio, queixa citada pelo Hamas quando optou por não renovar a trégua com Israel no mês passado.

"Qualquer iniciativa não baseada no fim da agressão, na abertura das fronteiras e na retirada israelense da Faixa de Gaza não tem chance de obter sucesso", disse Abu Marzouk à Reuters em uma entrevista em Damasco.

"A derrota do inimigo e seu fracasso em alcançar seus objetivos precisam estar refletidos na situação vindoura. Concordo que as regras do jogo precisam mudar, mas em favor do Hamas", disse Abu Marzouk, que vive na Síria junto com outros membros da liderança do grupo que estão no exílio.

A Síria está no centro dos esforços para solucionar a crise. O presidente da França, Nicolas Sarkozy, deve visitar Damasco na terça-feira, como parte de um tour pelo Oriente Médio para pressionar por uma trégua.

Saeed Jalili, importante autoridade da segurança iraniana, esteve em Damasco na semana passada e dois integrantes do alto escalão do Hamas no exílio na Síria deveriam viajar ao Cairo a fim de discutir uma proposta do Egito para pôr fim à guerra.

Israel tem resistido aos apelos internacionais por um cessar-fogo, dizendo que os objetivos da guerra não foram alcançados. O Estado judaico iniciou a ofensiva em 27 de dezembro, com o objetivo declarado de parar os disparos de foguetes a partir de Gaza.

Abu Marzouk, vice-chefe do politburo do Hamas, disse que o grupo decidiu enviar uma delegação ao Cairo apesar da desconfiança do grupo sobre a ajuda egípcia a Israel no reforço do bloqueio a Gaza.

Diplomatas na capital Síria disseram que o Hamas tem se mostrado muito interessado em manter abertos os canais de comunicação com o Egito, pois o governo do Cairo apoiado pelos Estados Unidos é um dos mais bem colocados jogadores regionais capazes de influenciar uma trégua.

A Turquia, que mantém contato com Israel e com o Hamas, também deu início a movimentações diplomáticas, incluindo um encontro entre oficiais do Hamas e da Jihad Islâmica em Damasco na semana passada.

"Sabemos que o Egito está descontente com a presença do Hamas em Gaza. Não há uma proposta completa sobre a mesa. Mas vamos esperar...Estamos buscando um cessar-fogo imediato", disse Abu Marzouk.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG