ENTREVISTA-Especialista no clima diz ter subestimado aquecimento

Por Gerard Wynn LONDRES (Reuters) - Nicholas Stern, especialista em mudanças climáticas, afirmou ter subestimado a ameaça do aquecimento global em um relatório de 18 meses atrás no qual comparou os riscos econômicos impostos pelo aquecimento à Grande Depressão da década de 1930.

Reuters |

As pesquisas mais recentes mostravam que as emissões mundiais de gases do efeito estufa aumentavam mais rapidamente e prejudicavam mais profundamente o clima do que imaginado antes, afirmou Stern à Reuters em uma entrevista concedida na quarta-feira.

Há, por exemplo, indícios crescentes de que os oceanos do planeta encontravam-se cada vez mais saturados e não poderiam absorver uma quantidade tão grande quanto a imaginada antes de gás carbônico (o principal dos gases do efeito estufa), disse o pesquisador.

'As emissões estão aumentando muito mais rapidamente do que poderíamos imaginar, a capacidade de absorção do planeta é menor do que pensávamos, os riscos oferecidos pelos gases do efeito estufa são maiores do que estimavam as mais cautelosas previsões e a velocidade das mudanças climáticas parece ter aumentado', afirmou ele à Reuters, em uma conferência em Londres.

Segundo Stern, o comprometimento de alguns países, como os integrantes a União Européia (UE), com o corte nas emissões precisava agora ser traduzido em ações concretas.

O relatório anterior do cientista previu que, mantidas as tendências atuais, a média global das temperaturas se elevaria em 2 a 3 graus Celsius nos próximos 50 anos mais ou menos, o que poderia reduzir o consumo per capita mundial em até 20 por cento, processo esse no qual os países pobres seriam os mais prejudicados.

Alguns estudiosos afirmaram que Stern tinha exagerado ao prever os custos futuros do aquecimento global em até 20 vezes o custo de combater o problema agora.

Na quarta-feira, o cientista disse que indícios cada vez mais numerosos sobre as mudanças climáticas justificavam seu relatório, divulgado em outubro de 2006.

O Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC), ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), divulgou um relatório no ano passado sem descrever em detalhes algumas das maiores ameaças impostas pelo aquecimento, tais como a capacidade dos oceanos de absorver gás carbônico, porque os cientistas precisavam ter cautela e porque as provas a respeito dessas questões ainda eram escassas, disse Stern, ex-presidente do Banco Mundial.

'O IPCC realizou um trabalho incrível, mas as coisas estão mudando', afirmou à Reuters.

Segundo Stern, a fim de minimizar os riscos das perigosas alterações climáticas, as emissões de gases do efeito estufa deveriam ser cortadas pela metade até o ano de 2050. Ele disse ainda que os EUA deveriam diminuir suas emissões em até 90 por cento até lá.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG