Tamanho do texto

Bruxelas, 24 jun (EFE).- A União Européia (UE) anunciou hoje a entrada em vigor das sanções contra 18 entidades iranianas, entre elas o maior banco do país, e 20 personalidades por seu papel no programa nuclear e no desenvolvimento de mísseis balísticos.

As entidades não poderão realizar atividades em território comunitário, com um congelamento dos bens que possam ter na UE, enquanto as pessoas não poderão entrar nos países do bloco.

O diário oficial das Comunidades Européias publica hoje a lista dos afetados pelas sanções, cujo nome e número total não foram divulgados ontem quando foram anunciadas as medidas, salvo o do banco Melli.

Este banco, o principal do Irã, é a entidade mais importante da lista, e as medidas afetam "todas as suas agências e filiais", segundo a decisão.

Entre os demais organismos sancionados se destacam a entidade Logística do Ministério da Defesa e das Forças Armadas (MODAFL), a Força Aérea dos Guardiães da Revolução, e a Companhia de Produção de Combustível Nuclear e de Contratação Pública.

Também figuram na lista diversas empresas químicas, de importação de armas, indústrias especiais, e centros de tecnologia e universidades vinculados com as forças armadas ligadas aos programas nuclear e de mísseis.

Além disso, 14 dos 20 sancionados pela União Européia são militares, dos quais seis são generais de brigada dos Guardiães da Revolução, dois são generais de brigada do Exército e um é vice-almirante.

Também aparecem na lista cientistas e diretores de organismos responsáveis pelos programas militares iranianos.

Em conjunto, as medidas afetam "altos responsáveis" desses programas, mas não dirigentes do regime iraniano, a fim de permitir suas viagens à Europa para negociar, segundo funcionários da UE. EFE rcf/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.