Documento limita arsenal nuclear dos dois países a 1.550 ogivas nucleares posicionadas - um corte de cerca de 30% a antigo limite

selo

Entrou em vigor neste sábado o tratado que prevê a redução dos arsenais nucleares da Rússia e dos Estados Unidos. O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, e a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, trocaram documentos de ratificação do acordo durante uma conferência internacional sobre segurança em Munique, na Alemanha.

Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, cumprimenta o primeiro-ministro Vladimir Putin, antes de reunião em Moscou, em janeiro
AP
Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, cumprimenta o primeiro-ministro Vladimir Putin, antes de reunião em Moscou, em janeiro

O tratado batizado de New Start (New Strategic Arms Reduction Treaty, ou Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas) foi assinado pelos presidentes Barack Obama e Dmitry Medvedev em abril de 2010 e vai substituir o antigo Start de 1991, que prescreveu em dezembro de 2009.

O documento limita o arsenal nuclear dos dois países a 1.550 ogivas nucleares posicionadas - um corte de cerca de 30% em relação ao limite fixado anteriormente.

O acordo foi aprovado pelo Senado americano em dezembro e pelo Parlamento russo no mês passado.
Antes da cerimônia em Munique, Hillary Clinton disse que o tratado era "mais um exemplo do tipo de cooperação clara que é do interesse do todos".

A secretária de Estado afirmou ainda estar discutindo com a Rússia maneiras para que outros dois países possam trabalhar juntos em questões afetando a segurança nacional de ambos.

O ministro Lavrov disse que o tratado com os EUA "é produto do entendimento de que medidas unilaterais relacionadas a segurança são contraproducentes". "O tratado que entra em vigor hoje vai aumentar a estabilidade internacional."

Além de limitar o número de ogivas nucleares posicionadas de cada lado, o Novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas também vai permitir que cada lado possa inspecionar visualmente a capacidade nuclear do outro, com o objetivo de verificar quantas ogivas estão dentro de cada míssil.

Além disso, haverá limites obrigatórios para o número de ogivas e mísseis que podem ser usados em terra, em submarinos ou em aeronaves.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.