Entenda os impactos da libertação de Betancourt

O resgate da ex-candidata presidencial da Colômbia Ingrid Betancourt, que ficou mais de seis anos em poder das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), e de outros 14 reféns, gerou perguntas sobre como o episódio poderá influenciar o futuro da guerrilha, do processo de paz e do próprio presidente Álvaro Uribe. Leia a seguir as opiniões de especialistas sobre algumas dessas perguntas: Por que a libertação de Ingrid Betancourt é tão problemática para as Farc? Seqüestrada em 2002, a franco-colombiana Ingrid Betancourt era a refém política mais importante do grupo.

BBC Brasil |

Em um só lance, as Farc perderam o seu principal trunfo em eventuais negociações com o governo para trocar reféns por guerrilheiros presos e para pressionar o governo a fazer concessões.

A libertação significa o fim das Farc?

O diretor da revista colombiana Voz, do Partido Comunista, Carlos Lozano, diz que as Farc foram golpeadas muito fortemente, mas não crê que se possa dizer que estão derrotadas.

"A operação deve ser recebida com muita alegria, mas sem triunfalismos. Agora não deve se pensar que a derrota das Farc seja coisa de dias. É preciso ver isso com tranquilidade e realismo."
O ex-conselheiro de paz Carlos Eduardo Jaramillo diz que o "êxito absoluto" da operação obriga as Farc a rever a sua forma de atuar. "É algo que não aproxima as Farc da paz, mas as obriga a se reposicionar", diz Jaramillo.

Para Jaramillo, esse reposicionamento poderá levar tanto ao fim dos seqüestros como a um endurecimento da guerrilha.

Já se falava em enfraquecimento das Farc antes do resgate. Por quê?
O resgate marca o mais recente revés amargado pela guerrilha. Nos últimos meses as Farc perderam três importantes lideranças e sofreram infiltrações como a que permitiu o resgate dos 15 reféns.

Em março deste ano, o número dois do grupo, Raul Reyes, foi morto num polêmico bombardeio a um acampamento rebelde no Equador. Uma semana depois, outro líder, Ivan Rios, foi assassinado por um guarda-costa que recebeu uma recompensa do governo colombiano. Mas a maior perda foi a morte do fundador e número um das Farc, Manuel Marulanda, aos 78 anos, por ataque cardíaco.

AP
Com filhos ao lado, Ingrid participa de coletiva na embaixada francesa da Colômbia

A deserção de integrantes intermediários das Farc, que de acordo com o governo podem chegar a 5 mil guerrilheiros, era outro elemento que vinha mostrando debilidade no interior do grupo armado.

Considerada grupo terrorista por Estados Unidos e União Européia, a guerrilha também enfrentou uma onda de condenações internacionais por não atender aos apelos - feitos pela família, manifestantes de rua e governos - pela soltura de Betancourt.

No mês passado, até o presidente venezuelano, Hugo Chávez, que defendia o reconhecimento do status de beligerância às Farc, mudou o tom e pediu que a guerrilha abandonasse a luta armada.

Como o presidente colombiano, Álvaro Uribe, se sai do episódio?

O presidente Álvaro Uribe, que enfrentava críticas por sua política linha-dura com os rebeldes, tem sido apresentado, em análises sobre o assunto, como o grande vencedor político e moral da operação.

''É uma gigantesca vitória para ele e uma derrota para aqueles que eram contra a opção de pôr fim ao problema à base de tiros'', afirma Adam Isacson, diretor do Projeto Colômbia do instituto de pesquisas Center for International Policy.

Para o presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento da Paz (Indepaz), Camilo González, o desfecho da operação tende a fortalecer a posição de Uribe, que defende a saída militar para a resolução do conflito armado colombiano.

"Com este resgate, que ganha forte apoio popular, o governo fortalece sua posição de que a solução para a Colômbia é a saída militar, sem diálogos e negociações", diz González.

O vice-presidente do instituto de pequisas Inter American Dialogue e diretor do programa andino do órgão, Michael Shifter, ressalta que o êxito da operação também pode mostrar aos críticos um lado mais humano de Uribe.

''Uribe mostrou que o lado humanitário, o bem-estar de reféns, também é uma de suas preocupações. Ele já conta com uma popularidade (entre os colombianos) na faixa de 84%, isso deverá ampliá-la ainda mais'', diz Shifter.

Presidente francês, Nicolas Sarkozy, ao lado de sua mulher recebe Ingrid

Mas o resgate ocorre no momento em que vários funcionários e ex-funcionários do presidente estão sendo investigados pela suposta cessão de privilégios a parlamentares em troca de apoio à mudança na lei para permitir a reeleição presidencial.

Qual será o papel de Betancourt na política colombiana?

Ainda não se sabe que papel Betancourt terá daqui para frente. Seqüestrada durante uma campanha presidencial em que concorria com Uribe, ela se mostrou grata pelo resgate, mas já deixou claro que pretende "servir a Colômbia como presidente".

Uribe já está no seu segundo mandato e pela lei não poderia se reeleger novamente, apesar de boatos de que ele estaria pensando em buscar o terceiro mandato.

Apesar de ter falado das suas pretensões presidenciais, Betancourt também afirmou que apóia a idéia de se permitir uma segunda reeleição na Colômbia embora não tenha dado apoio explícito à reeleição de Uribe.

Qual o papel desempenhado pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez?

Chávez não teve nenhum papel na libertação de Betancourt, que foi liberada por uma ação militar colombiana. Mas ele intermediou a negociação entre o governo colombiano e as Farc que levou à libertação de duas reféns em dezembro de 2007.

No caso de Ingrid Betancourt, Chávez manteve-se discreto. Foi a própria refém, aliás, que trouxe o seu nome à tona ao pedir que ele e o presidente equatoriano, Rafael Correa, "restabeleçam os níveis de amizade e confiança com o presidente Uribe" e "empurrem" as Farc para a via democrática.

Segundo o vice-presidente do instituto de pequisas Inter American Dialogue e diretor do programa andino do órgão, Michael Shifter, a ação militar da Colômbia ''certamente irá marginalizar Hugo Chávez, que dizia ser o mais capaz de libertar reféns, por contar com mais legimitidade aos olhos das Farc".

Nos últimos meses recentes o presidente da Venezuela tem baixado o tom nas suas críticas à Colômbia e chegou a pedir publicamente que a guerrilha abandone o combate armado.

Como fica o processo de paz?

Falta saber como as Farc vão reagir daqui para frente aos apelos para libertar mais reféns. O presidente Uribe disse que nenhum guerrilheiro foi morto na operação porque seu governo pretende mandar uma mensagem às Farc para que libertem os demais seqüestrados em seu poder.

Já o ministro do Interior Fabio Valencia disse à BBC que o governo colombiano poderá lançar novas operações para libertar as centenas de reféns que continuam em poder das Farc, desde que essas ações não ponham a vida dos reféns em risco.

Valencia disse, porém, que o governo continua disposto a avançar no diálogo com as Farc "dentro das condições colocadas pelo presidente (Uribe)".

Quantos reféns exatamente estão em poder dos rebeldes?

É difícil dizer, mas acredita-se que as Farc mantenham cerca de 800 reféns em campos secretos na selva. Muitas dessas pessoas foram seqüestradas para que o dinheiro dos resgates pudesse financiar as operações da guerrilha.

Entenda

Saiba mais sobre Ingrid

O Resgate

Imagens

Repercussão

Opinião

Leia também:

    Leia tudo sobre: farc

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG