Entenda o conflito na Irlanda do Norte

Dois atentados ocorridos nos últimos dias na Irlanda do Norte trouxeram de volta os fantasmas do sangrento conflito que atingiu a região durante décadas.

BBC Brasil |

No último sábado, 7 de março, dois soldados britânicos foram mortos e outras quatro pessoas ficaram feridas em um ataque contra o quartel de Massereene, no condado de Antrim, ao norte de Belfast. No dia seguinte, o IRA Real, uma dissidência do IRA (Exército Republicano Irlandês) assumiu a autoria do atentado.

Já nesta segunda-feira, um policial foi morto a tiros em uma emboscada na cidade de Craigavon, a cerca de 40 quilômetros de Belfast. Até o momento, nenhuma organização assumiu a autoria do segundo ataque.

A BBC preparou uma série de perguntas e respostas sobre os conflitos de raízes políticas e religiosas na Irlanda do Norte.

A Irlanda do Norte se formou em 1921, depois que um acordo entre a Grã-Bretanha e a República da Irlanda - que declarou sua independência de Londres em 1916 - dividiu a ilha.

Pelo acordo, 26 condados passaram a pertencer à Irlanda, enquanto outros seis condados do norte, parte da província do Ulster, ficaram sob o domínio do que passou a se chamar em 1927 de Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte.

O principal motivo para o conflito está nas desavenças sobre se a região deve fazer parte da Irlanda ou do Reino Unido.

Algumas pessoas, especialmente aquelas que pertencem à comunidade unionista protestante, defendem que a região deve continuar sob o domínio de Londres.

Outras, particularmente aquelas que fazem parte da comunidade católica nacionalista, acreditam que a região deve deixar o Reino Unido para se anexar à República da Irlanda.

As relações entre as duas partes começaram a ficar mais tensas a partir do final dos anos 1960, quando começou um ciclo de violência que durou mais de 30 anos, com episódios de tumultos nas ruas e campanhas de atentados a bomba. Até agora, mais de 3,6 mil pessoas morreram durante os conflitos, a maioria delas civis.

O Exército britânico foi posicionado na região para tentar manter a paz depois que o Royal Ulster Constabulary (força policial da Irlanda do Norte até 2001) perdeu o controle da situação.

O Exército, no entanto, logo foi visto como uma força de ocupação pelos nacionalistas, o que fez com que as tropas fossem alvo de ataques de grupos paramilitares.

No período mais tenso do conflito, 28 mil soldados britânicos estavam na região. Atualmente, há cerca de 5 mil homens.

O processo de paz na Irlanda do Norte está sendo trabalhado nos últimos 20 anos. Participaram das negociações os governos da Irlanda e da Grã-Bretanha e políticos da região.

Depois de declarações de cessar-fogo por parte do grupo paramilitar IRA (Exército Republicano Irlandês) e de grupos unionistas, começaram negociações entre os partidos políticos, que culminaram com o Acordo da Sexta-Feira Santa, de 1998.

Em 2007, o Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês) e o Sinn Fein (antigo braço político do IRA) chegaram a um acordo para a transferência do governo. Estes dois partidos dominam agora o cenário político da Irlanda do Norte.

Desde 2008, o primeiro-ministro do governo da região é Peter Robinson, membro do DUP, enquanto seu vice é Martin McGuinnes, um ex-comandante do IRA.

Segundo especialistas em segurança, grupos republicanos dissidentes representam a maior ameaça ao processo de paz, sendo que muitos grupos paramilitares ainda estão em atividade.

Entre esses grupos estão o chamadao Continuity Irish Republican Army (Continuidade do Exército Republicano Irlandês, em tradução livre), o IRA Real, o Exército de Libertação Nacional Irlandês e o Óglaigh na hÉireann.

Informações dão conta de que os dois primeiros estariam "especialmente em atividade" e poderiam estar preparando novos ataques.

Leia mais sobre Irlanda do Norte

    Leia tudo sobre: irlanda do norte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG