Entenda as eleições da Grã-Bretanha

Pela primeira vez desde 1974, há chances de nenhum partido conseguir maioria absoluta na votação de quinta-feira

iG São Paulo |

AP
"Lutando pelo seu futuro": Sombra de primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, é vista sobre cartaz durante campanha em universidade na Inglaterra
Mais de 45 milhões de eleitores com 18 anos ou mais podem votar nas eleições de 6 de maio. Veja a seguir as principais características dessa eleição.

Principais partidos

O sistema eleitoral britânico favorece o bipartidarismo, com o Partido Trabalhista - do atual primeiro-ministro Gordon Brown e do ex-premiê Tony Blair (1997-2007) - e o Partido Conservador (que governou entre 1979 e 1997 com Margaret Thatcher e John Major) figurando como as principais legendas desde a 1.ª Guerra Mundial (1914-1918).

O Partido Liberal Democrata é a terceira força política, com uma votação tradicionalmente inferior à dos trabalhistas e dos conservadores. A legenda é derivada dos Liberais, que governaram durante longos períodos durante a segunda metade do século 19.

Neste ano, porém, os liberal-democratas, liderados por Nick Clegg , poderão fazer a diferença se não houver uma maioria clara no Parlamento. Se isso ocorrer, eles poderão optar por fazer uma coalizão com trabalhistas ou conservadores. Os pequenos partidos nacionalistas do País de Gales e da Escócia também poderiam ter um papel importante em uma eventual coalizão.

Há informações de que a baixa popularidade de Brown estimulou alguns políticos trabalhistas a considerar destituí-lo da liderança do partido se o resultado das urnas for muito fraco. A ideia seria substituí-lo por alguém que os liberal-democratas poderiam aceitar como líder de uma coalizão de governo, possivelmente o ministro de Relações Exteriores David Miliband.

O que está em jogo nessa eleição?

Essa eleição deve ser a mais disputada desde 1992, com o conservador David Cameron tentando chegar ao poder após 13 anos de hegemonia do Partido Trabalhista. Brown, por sua vez, tenta conseguir o apoio dos britânicos para continuar no cargo de primeiro-ministro. O atual premiê viu seus índices de popularidade cair no ano passado, em consequência da crise econômica global e de uma série de escândalos políticos. Nos últimos meses, porém, a vantagem do Partido Conservador sobre o Partido Trabalhista nas pesquisas caiu, tornando o resultado das eleições imprevisível, segundo analistas.

Como funcionam as eleições?

As eleições são distritais. Em cada distrito eleitoral, vence o candidato mais votado a Membro do Parlamento (deputado). Isso significa que a preocupação dos partidos não é o total de votos obtidos nacionalmente, mas o desempenho de cada um de seus candidatos nos respectivos distritos. Por causa disso, partidos menores podem conquistar milhares de votos em âmbito nacional, mas não conseguir uma única cadeira no Parlamento. Esse sistema é um problema para partidos que têm certo apoio em vários distritos, mas pouco apoio concentrado.

Em 2005, os liberal-democratas alcançaram 22% dos votos totais, mas ganharam apenas 62 assentos – ou menos de 10% das cadeiras da Câmara dos Comuns. Na eleição geral de 1951, os conservadores de Winston Churchill conquistaram 26 cadeiras a mais do que o Partido Trabalhista de Clement Attlee, apesar de terem recebido 250 mil votos a menos. Por causa disso, pesquisas de opinião que refletem o apoio porcentual em todo o país podem ser enganosas, porque uma cadeira no Parlamento é ganha não pela proporção total de votos, mas pela quantidade de apoio em cada distrito.

Como é formado o novo governo?

O partido que obtiver o maior número de cadeiras no Parlamento (pelo menos 326 das 650) tem o direito de formar o novo governo, com seu líder como primeiro-ministro.

E se nenhum partido conseguir maioria absoluta?

Se nenhum partido conseguir a maioria absoluta, há o "hung Parliament" (Parlamento enforcado, em tradução livre), em que o governo só terá o número suficiente de votos para aprovar uma lei se contar com o apoio de outros partidos. A última vez que isso ocorreu foi em 1974. Nesse caso, há três opções: (1) se o partido com menos deputados eleitos estiver no poder, o primeiro-ministro pode permanecer interinamente no cargo enquanto tenta formar uma coalizão; (2) o líder do partido com o maior número de deputados eleitos pode tentar se aliar a um segundo partido para encabeçar um governo de coalizão; (3) o partido com mais votos pode não se coligar com nenhuma legenda e formar um governo minoritário. Nesse caso, o governo minoritário tentaria conseguir apoios pontuais para cada uma das leis que quisesse aprovar.

Se nenhum dos partidos estiver preparado para escolher qualquer uma dessas três opções, o Parlamento pode ser dissolvido novamente e uma nova eleição pode ser convocada.

Quando serão anunciados os resultados?

A maioria dos distritos deve anunciar os resultados na própria noite do dia 6 ou na madrugada do dia 7, permitindo saber se algum partido conseguiu a maioria.

*Com BBC e New York Times

    Leia tudo sobre: Grã-BretanhaeleiçõesBrownCameronClegg

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG