Nesterets admitiu ter passado informações sigilosas sobre novo sistema de mísseis à agência americana e foi condenado a 13 anos

Um tribunal militar condenou nesta sexta-feira uma autoridade russa de fornecer informações para a CIA com informações secretas sobre os novos mísseis estratégicos russos. O tenente-coronel Vladimir Nesterets foi sentenciado a 13 anos de prisão.

Leia também: Ex-líder da Libéria trabalhava para a CIA, diz jornal

O hall principal da sede da CIA (Agência de Inteligência dos EUA) em Langley, Virgínia
Getty Images
O hall principal da sede da CIA (Agência de Inteligência dos EUA) em Langley, Virgínia

Nesterets admitiu ter passado informações secretas em troca de remuneração, informou o Serviço de Segurança Federal, a principal agência que substituiu a KGB soviética.

A agência disse que Nesterets cometeu traição enquantro trabalhava como engenheiro na base de lançamento Plesetsk, no noroeste russo, uma instalação que os militares usam para lançar satélites e testar novos sistemas de mísseis.

A declaração concisa divulgada pela agência não informa quando Nesterets foi preso nem deu mais detalhes sobre o caso.

A agência russa de notícias RIA citou a mulher do oficial, Irina, dizendo que ela não conseguia entender a confissão de culpa, porque seu marido nunca havia dito que tinha feito algo errado e não traiu seu país.

A condenação ocorre em meio a crescentes tensões nas relações entre EUA e a Rússia, apesar dos esforços do presidente Barack Obama em superar as diferenças adquiridas em governos anteriores.

As relações entre Moscou e Washington pioraram devido ao escudo antimísseis dos EUA que está sendo desenvolvido pela Otan em toda a Europa, e o veto a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para aplacar o derramamento de sangue promovido pelo presidente sírio Bashar al-Assad.

Leia também:
- Rússia faz advertência contra plano de escudo antimísseis dos EUA
- EUA rejeitam mudar escudo antimísseis apesar de alerta da Rússia
- Rússia e China vetam resolução da ONU contra a Síria

O premiê Vladimir Putin tem desafiado os EUA durante sua campanha eleitoral à presidência. Ele acusou Washington de estimular protestos pós-eleitorais no intuito de enfraquecer seu país.

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.