Enfrentamentos entre chineses, tibetanos e polícia em Shangri-la

Pequim, 8 set (EFE).- A morte de um policial na localidade de Shangri-la, zona de maioria tibetana na província chinesa de Yunnan (sul), causou novos enfrentamentos entre civis chineses de etnia han, tibetanos e forças de segurança, informou hoje o jornal independente South China Morning Post.

EFE |

O jornal, que cita um relatório do Centro para os Direitos Humanos e a Democracia (ONG com sede em Hong Kong), assegura que os incidentes obrigaram o envio de mais de mil policiais armados à zona, uma das mais turísticas da China.

O estopim dos enfrentamentos foi a morte, dia 28 de agosto, de um policial durante uma briga em um karaokê local, e após o incidente a Polícia deteve tanto chineses han como tibetanos.

Os enfrentamentos não foram outro caso de violência étnica como o que aconteceu em Xinjiang (noroeste) este verão, já que nos dois lados (os supostos agressores do policial e seus familiares e amigos) havia membros das duas etnias, de acordo com a informação.

No entanto, o incidente poderia aumentar os temores de Pequim a que aumente a instabilidade no oeste da China, cenário de violentos protestos no Tibete e Xinjiang desde o ano passado, faltando menos de um mês para que o país celebre os 60 anos da República Popular.

Shangri-la foi rebatizada em 2001 com esse nome literário - antes se chamava Zhongdian - para atrair mais turismo à zona, situada na fronteira com a região autônoma do Tibete. EFE abc/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG