Nova Délhi, 16 dez (EFE).- Pelo menos 120 rebeldes tâmeis e 25 soldados cingaleses morreram em intensos combates nos limites da capital da guerrilha, Kilinochi, segundo assegurou hoje o Ministério da Defesa do Sri Lanka.

Cerca de 120 membros da guerrilha dos Tigres de Libertação do Tâmil Eelam (LTTE) morreram hoje e outros 250 ficaram feridos nas localidades de Paranthan, Admapan e Iranamadu, segundo fontes militares citadas pelo ministério em seu site.

As tropas do Sri Lanka assumiram o controle de um reduto de cinco quilômetros construído pelos LTTE no oeste de Kilinochi, para resistir aos embates do Exército cingalês.

Os combates, que estão em uma fase "decisiva", segundo o Ministério da Defesa, começaram esta manhã.

O ministério admitiu a morte de 25 soldados e o desaparecimento de outros dez, enquanto 160 ficaram feridos.

Por outro lado, o TamilNet, portal afim da guerrilha, assegurou que cerca de 40 soldados cingaleses, cuja ofensiva foi "repelida", morreram nos enfrentamentos.

Segundo o site, que não informa sobre baixas nas fileiras dos LTTE, os combates se iniciaram na primeira hora da madrugada passada e se estenderam por nove horas.

O Exército do Sri Lanka está tentando encurralar no norte os LTTE, que perdeu durante os últimos meses suas zonas de domínio tradicional, especialmente na parte oriental da ilha.

Os LTTE lutam para conseguir um estado independente no norte e no leste do Sri Lanka, as áreas da ilha onde a etnia tâmil tem maior presença, frente à dominante etnia cingalesa.

Desde o início do conflito, que derivou em guerra aberta em 1983, quase 100 mil pessoas morreram vítimas da violência e centenas de milhares se encontram deslocadas ou refugiadas. EFE amp/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.