Encontrado vivo um dos chineses seqüestrados no Sudão

Cartum, 31 out (EFE).- Um dos nove trabalhadores chineses eqüestrados em 18 de outubro no Sudão foi encontrado vivo hoje, em uma região do sul do país, informaram fontes diplomáticas.

EFE |

O embaixador chinês em Cartum, Li Chengwen, declarou aos jornalistas que seu compatriota foi achado na região sulista de Kurdufán e nas próximas horas será levado a Cartum.

Após o anúncio de hoje só falta o paradeiro de um dos nove seqüestrados. Quatro dos capturados morreram na segunda-feira passada e outros três ficaram feridos ao fracassar uma tentativa de resgate das forças de segurança sudanesas.

O embaixador chinês insistiu em que o refém localizado hoje não tem ferimentos de bala, embora logo ao chegar a Cartum, ele vá ser submetido a um exame médico.

Os seqüestrados eram empregados da companhia estatal chinesa de petróleo Sinopec.

Inicialmente, fontes oficiais sudanesas disseram que cinco dos nove reféns tinham sido assassinados a sangue frio pelos seqüestradores, sem intervenção das forças de segurança.

Mas o porta-voz do Conselho de Ministros, Omar Mohammed Saleh, confirmou ontem que as vítimas mortais eram quatro, não cinco, e que tinham morrido durante um tiroteio entre a quadrilha de seqüestradores e forças policiais.

A China enviou uma delegação governamental, liderada pelo ministro de Relações Exteriores, Yang Jiechi, para seguir de perto o caso.

As autoridades sudanesas responsabilizaram pelo seqüestro uma facção dissidente do Movimento para a Justiça e Igualdade, um dos grupos rebeldes que luta na região de Darfur.

O Sudão é um dos principais fornecedores de petróleo da China, que obtém da África um quarto de suas necessidades deste combustível. EFE az-fá-ag/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG