Encontrado na Antártida fóssil que viveu há 49 milhões de anos

Direção Nacional da Antártida descobriu vestígios de uma baleia do grupo Basilosauridae, do que se originaram todos os cetáceos

EFE |

A Direção Nacional da Antártida, órgão argentino, anunciou nesta terça-feira a descoberta do fóssil de uma baleia que viveu há 49 milhões de anos, o mais antigo do mundo até o momento.

Trata-se de "uma mandíbula reconstruída, de cerca de 60 centímetros, que permite saber que a origem da linhagem desta baleia é mais antiga do que se pensava", assegurou a paleontóloga argentina Claudia Tambussi.

A descoberta do "Arqueoceto Antártico", um parente distante das baleias, foi feita no nordeste da Península Antártica, perto do Mar de Weddell, por Claudia Tambussi, seu compatriota Marcelo Reguero e os suecos Thomas Mörs e Jonas Hagström, estes dois últimos do Museu de História Natural de Estocolmo.

Este "Arqueoceto Antártico" pertence ao grupo Basilosauridae, do que se originaram todos os cetáceos atuais. As "baleias semiaquáticas" - as Protocetidae, com quatro patas desenvolvidas - viveram na região entre a Índia e o Paquistão há 53 milhões de anos, enquanto o "Arqueoceto Antártico" tem 49 milhões de anos e é totalmente aquático.

Os fósseis foram apresentados nesta terça-feira pela Direção Nacional da Antártida durante a Tecnópolis, uma enorme mostra na periferia de Buenos Aires, na qual foram recriadas as maiores conquistas científicas e tecnológicas do país com maquetes em tamanho real e imponentes cenários futuristas.

Claudia Tambussi, que assim como Reguero trabalha no Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet), comentou que este fóssil de baleia é o primeiro localizado na Antártida Argentina.

A Direção Nacional da Antártida também informou que outro grupo de paleontólogos encontrou na ilha James Ross restos de um dinossauro sauropodomorfo, um ankylosauros, répteis marítimos (plesiossauros) e peixes ósseos.

Também foram coletados amostras de dentes de tubarões e um esqueleto quase completo de um pinguim gigante (entre 1,50 metro e 1,60 metro de altura), com aproximadamente 34 milhões de anos.

* Com a EFE

    Leia tudo sobre: ARGENTINA PALEONTOLOGIA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG