As inundações que deixaram pelo menos 224 mortos desde julho atingiram a cidade antiga de Ayutthaya, local histórico

As enchentes na Tailândia deixaram pelo menos 224 mortos desde meados de julho e a água inundou o templo de 400 anos Chai Wattanaram na cidade antiga de Ayutthaya, um local considerado patrimônio mundial desde 1991, informaram autoridades nesta terça-feira.

Um homem anda de barco em volta do templo Chai Wattanaram, na cidade de Ayuttaha, que foi atingida pelas inundações
AP
Um homem anda de barco em volta do templo Chai Wattanaram, na cidade de Ayuttaha, que foi atingida pelas inundações
O templo fica ao lado do rio Chaoa Phraya, que segue em direção à capital Bangcoc, cerca de 105 km ao sul. "O nível da água subiu até agora 1,5 m e 150 soldados estão posicionados na área para consertar a barragem", disse Wittaya Pewpong, governador da província Ayutthaya.

Ele acrescentou que mais de 200 dos 500 templos antigos na província foram afetados pelas enchentes. A Tailândia tem sido atingida por inundações expressivas causadas por tempestades tropicais e pelas chuvas sazonais de monções, que normalmente ocorrem de agosto a outubro.

O ministro da Cultura, Sukumol Kunplome, calculou os danos a locais históricos no país em cerca de US$ 3,2 milhões. As enchentes também afetaram Bangcoc, que está apenas dois metros acima do nível do mar. O rio Chao Phraya transbordou nas estradas em alguns pontos, embora algumas autoridades tenham reforçado as barragens para evitar uma inundação severa.

Nesta terça-feira, 25 das 76 províncias da Tailândia enfrentam problemas de inundações e o número de pessoas atingidas chega a 2,4 milhões, pelos dados do Departamento de Prevenção e Resposta de Desastres. Cerca de 1,2 milhão de hectares de terras agrícolas estão submersas e o Departamento Meteorológico alertou para mais chuvas pesadas em muitas partes do país nos próximos dias.

O Ministério da Saúde pediu às autoridades locais a manter a vigilância sobre a qualidade de água e advertir dos riscos à população, depois que a análise de amostras de quatro rios revelarem alta concentração de contaminação.

Equipes médicas móveis encontraram 17 mil moradores com problemas causados pela inundação, como fungos, e colocaram 119 tailandeses sob observação devido ao elevado nível de estresse e tendências suicidas.

O governo aprovou ajuda emergencial para os desabrigados e os membros do Executivo, com a primeira-ministra à frente, Yingluch Shinawatra, percorrem de helicóptero e barcas as regiões alagadas todas as semanas.

No vizinho Camboja, 164 foram mortos em enchentes desde 13 de agosto. Segundo Keo Vy, vice-diretor de informação do Comitê Nacional de Gerenciamento de Desastres do Camboja, mais de 215 mil famílias foram desalojadas, enquanto estradas, pontes e diques foram destruídos.

Com Efe e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.