Empresas aéreas europeias criticam autoridades e pedem compensação

O caos aéreo provocado pelas cinzas do vulcão da geleira de Eyjafjallajokull esta semana causou uma troca de acusações e críticas entre autoridades, cientistas e companhias aéreas da Europa.

BBC Brasil |

As companhias aéreas estão buscando uma compensação financeira pelos custos da crise, argumentando que não foram responsáveis pelo caos aéreo.

Além disso, algumas empresas reclamam que a decisão de fechar o espaço aéreo por tanto tempo teria sido errada.

Nesta quinta-feira, quase todo o espaço aéreo europeu reabriu e poucos atrasos e fechamentos de aeroportos foram registrados. A maioria das companhias aéreas opera todos os seus voos.

AFP
Passageira espera embarque em aeroporto francês

Passageira espera embarque em aeroporto francês

A agência de aviação da Europa, a Eurocontrol, divulgou nesta quinta-feira que cerca de 28 mil dos 29 mil voos previstos para o dia devem ser confirmados.

O vulcão na geleira de Eyjafjallajokull, na Islândia, continua em erupção, mas ele está apenas jorrando lava e parou de expelir cinzas.

Custos

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, em inglês) estima que as companhias aéreas perderam US$ 1,7 bilhão com o que seria a maior crise do setor desde a Segunda Guerra Mundial.

"Para uma indústria que perdeu US$ 9,4 bilhões no ano passado e estava prevendo perder mais US$ 2,8 bilhões este ano, esta crise é arrasadora", disse o diretor-geral da Iata, Giovanni Bisignani.

"Eu sou a primeira pessoa a dizer que essa indústria não quer nem precisa ser resgatada (pelo governo). Mas esta crise não é resultado de estarmos administrando mal os nossos negócios. Os governos deveriam ajudar as companhias aéreas a recuperar o custo com este problema."

Algumas companhias aéreas também exigem mudança nas regras europeias de proteção ao consumidor, que as obrigam a fornecer hospedagem e refeições a passageiros que não conseguem embarcar.

Michael O'Leary, presidente da Ryanair, que opera voos com baixos preços, disse que é um "absurdo" que sua empresa tenha de gastar centenas de euros com um consumidor que pagou pouco pelas suas passagens.

A Ryanair decidiu apenas reembolsar os passageiros afetados com o valor da passagem, mas não está pagando hospedagem nem refeição, contrariando as regras europeias.

"Nós esperamos vê-los (os passageiros) na Justiça, porque sinceramente eu acho que esta é uma grande oportunidade para as companhias aéreas exporem essa bobagem", disse.

Espaço aéreo

Outra motivo de troca de acusações foi a decisão dos governos de fechar o espaço aéreo, considerada exagerada por algumas companhias aéreas.

"Eu acho que se eles (os governos) tivessem enviado aviões imediatamente para avaliar se as cinzas eram realmente perigosas demais, ou para buscar corredores onde a nuvem não estivesse muito densa, acho que estaríamos operando voos muito antes", disse o presidente da companhia aérea Virgin, Richard Branson, à BBC.

O ministro britânico dos Transportes, Andrew Adonis, disse que as autoridades internacionais de segurança aérea foram cautelosas demais. O secretário, no entanto, afirmou que foram necessários alguns dias de testes para que se pudesse determinar se era seguro voar em algumas regiões.

O Comissário Europeu de Transportes, Siim Kallas, negou que a União Europeia tenha demorado para atender aos pedidos por reabertura do espaço aéreo, afirmando que vidas estavam em risco no caso.

O presidente da Sociedade Europeia de Vulcanologia, Henri Gaudru, disse que havia poucas alternativas ao fechamento do espaço aéreo.

"Isso não foi um exagero. Nós não sabemos o suficiente sobre essas nuvens e sobre o que pode acontecer com aviões que passam por elas", disse Gaudru.

Dia normal

Nesta quinta-feira, a situação nos aeroportos voltou ao normal, com quase todo o espaço aéreo aberto. Apenas alguns aeroportos na Noruega (em Stavanger e Bergen) e Suécia (em Gotemburgo e Malmo) fecharam por causa da nuvem de cinzas que ainda cobre a região sul dos dois países.

No aeroporto Charles Gaulle, em Paris, alguns voos para a Grã-Bretanha atrasaram, mas os demais aviões para todos os outros destinos partiram no horário.

A companhia aérea australiana Qantas cancelou um dos seus voos para Londres e atrasou outro por 11 horas nesta quinta-feira, por causa dos temores de que seus aviões cruzassem com a nuvem de cinzas.

Mais notícias

Fotos

Vídeos

Relatos

Efeitos na economia

Leia mais sobre caos aéreo na Europa

    Leia tudo sobre: vulcão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG