Washington, 13 jul (EFE).- O sindicato que representa as aeromoças da companhia aérea americana Northwest, recém-absorvida pela Delta Airlines, apresentou uma queixa contra o fato de a empresa não oferecer uniformes grandes às funcionárias, informa hoje o jornal Pioneer Press.

A publicação diz que a Delta fornece às aeromoças uniformes azuis que vão até o tamanho 28 (nos Estados Unidos). Mas o modelo de cor vermelha, assinado pelo estilista australiano Richard Tyler e que começou a ser usado em março, só está disponível até o tamanho 18.

Nos Estados Unidos, a população feminina mede, em média, o tamanho 14.

Em maio, a Associação de Assistentes de Voo, filiada ao sindicato Communications Workers of America (CWA), apresentou uma queixa baseada no acordo coletivo que os trabalhadores tinham com a Northwest.

Daniel Grey, vice-presidente da unidade sindical, disse ao "Pioneer Press", editado em Minnesota, que não vê razões "para que haja uma diferença entre o uniforme vermelho e o uniforme azul".

"O vestido vermelho é muito vistoso, parte da estratégia da Delta", acrescentou. "A mensagem que esta medida dá é que uma mulher com uniforme vermelho num tamanho maior que o 18 não faz parte dessa estratégia. É algo que nos faz voltar décadas no tempo", disse Grey.

A Delta ignorou a queixa do sindicato e o assunto foi encaminhado para uma câmara de arbitragem, que analisará a questão em agosto.

Quando a Delta apresentou os novos uniformes, Tyler disse que seu objetivo era resgatar "uma época em que viajar de avião era algo elegante, mas imprimindo um toque de contemporaneidade".

Patricia Reller, vice-presidente do sindicato das aeromoças, disse que a cor vermelha do novo uniforme "salta à vista". "Ao não oferecê-lo em tamanhos acima do 18, a Delta diz 'Não queremos que você o use se é maior que esse tamanho'", afirmou.

"Mas o que importa neste trabalho não é o apelo sexual", acrescentou. "É a segurança". EFE jab/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.