Empresa de clonagem sul-coreana se recusa a verificar antecedentes criminais de seus clientes

SEUL, Coréia do Sul - Uma companhia de clonagem sul-coreana afirmou na segunda-feira que não planeja verificar os antecedentes criminais de seus futuros clientes, apesar do escândalo envolvendo uma americana acusada de seqüestrar um homem há algumas décadas.

AP |

Ra Jeong-chan, líder da RNL Bio baseada em Seul, afirmou não saber do passado criminoso de Bernann McKinney, acusada de seqüestrar um missionário mórmon na Inglaterra, amarrá-lo a sua cama e fazer dele seu escravo sexual.

Bernann McKinney ficou famosa recentemente quando a RNL clonou cinco filhotes de seu adorado pitbull, Booger. A empresa afirma que os filhotes, pelos quais McKinney pagou US$50 mil, representam a primeira clonagem comercial bem-sucedida de um cachorro.

Mas a ampla cobertura da imprensa também expôs o mistério de 31 anos.

Depois de negar inicialmente, Bernann McKinney admitiu no sábado ser Joyce McKinney, que se tornou uma sensação dos tablóides britânicos em 1977 quando foi acusada de manter o missionário cativo. Ela pagou fiança e nunca teve que enfrentar a justiça.

No entanto, a revelação gerou pouca reação na Coréia do Sul, onde os jornais e emissoras de televisão se concentram na contagem de medalhas olímpicas.

Ra disse que mesmo se soubesse do passado de McKinney isso não teria afetado sua decisão de clonar o cachorro. "Não há motivos para verificar os antepassados criminais de um cliente" que solicita uma clonagem, disse Ra, descrevendo o assunto como "questão de privacidade".

Ele também disse que registros criminais não irão desqualificar futuros clientes, dizendo que os animais clonados podem até mesmo ajudar essas pessoas a encontrar uma certa estabilidade.

O ministério do bem-estar da Coréia do Sul também afirmou que não irá exigir que as empresas de clonagem façam uma verificação dos antecedentes criminais de seus clientes.

Lee Byeong-chun, que ajudou a RNL a clonar os cinco cães, não foi localizado para comentar o assunto. A equipe de cientistas de Lee foi a primeira a clonar um cachorro na Universidade Nacional de Seul, um macho afegão conhecido como Snuppy, em 2005.

A equipe de Lee clonou mais de 30 cachorros desde então e cinco lobos.

Leia também:

Leia mais sobre clonagem

    Leia tudo sobre: clonagem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG