O emissário especial do presidente Barack Obama para o Oriente Médio, George Mitchell, se reúne com os principais líderes de Israel nesta quarta-feira, em Jerusalém, com o objetivo de consolidar o cessar-fogo entre Israel e o Hamas.

Depois de se encontrar com o presidente egípcio Hosni Mubarak, no Cairo, George Mitchell chegou a Jerusalém, onde se reunirá com o presidente de Israel, Shimon Peres, o primeiro-ministro Ehud Olmert, a ministra das Relações Exteriores, Tzipi Livni, e o ministro da Defesa, Ehud Barak.

Na quinta-feira, o emissário americano deverá ir a Ramallah, na Cisjordânia, para se encontrar com o presidente palestino, Mahmoud Abbas.

Encontros com líderes do Hamas não estão incluídos em sua agenda.


George Mitchell se reúne com Ehud Olmert / AP

Processo de paz

Mitchell, encarregado por Obama de trabalhar energicamente para reavivar o processo de paz entre Israel e os palestinos, deverá se concentrar, nesta primeira visita em seu novo cargo, em estabilizar o cessar-fogo na Faixa de Gaza e nos esforços para reconstruir a região cuja infraestrutura foi gravemente danificada pelos bombardeios israelenses.

O novo emissário americano para o Oriente Médio tem ampla experiência nesta região.

Em 2001 Mitchell foi enviado pelo ex-presidente americano George W. Bush para formular um plano de paz, em meio à segunda Intifada (levante palestino iniciado em 2000).

Naquela época, George Mitchell escreveu um relatório traçando um paralelo entre a violência de militantes palestinos e a expansão dos assentamentos israelenses na Cisjordânia.

O relatório Mitchell, de abril de 2001, exigia que os grupos palestinos suspendessem a violência contra civis israelenses e que Israel congelasse totalmente a construção de assentamentos, inclusive a expansão para fins chamados por Israel de "crescimento natural".

A nomeação de Mitchell para o cargo de emissário especial para o Oriente Médio e o forte apoio que o diplomata está recebendo tanto do presidente Obama como da Secretária de Estado, Hillary Clinton, despertam a apreensão da direita israelense, pela possibilidade de uma mudança significativa na atitude do governo americano em relação a Israel.

De acordo com analistas locais, o novo governo americano deverá exercer sérias pressões sobre Israel para que congele imediatamente a construção dos assentamentos.

Mitchell inicia sua missão no Oriente Médio duas semanas antes das eleições gerais em Israel, previstas para o dia 10 de fevereiro.

De acordo com as últimas pesquisas de opinião, o ex-premiê Binyamin Netanyahu, líder do partido de direita Likud, é o favorito para vencer a eleição para o cargo de primeiro-ministro.

Netanyahu já declarou que defenderá o "direito de crescimento natural" dos assentamentos.

Desde 2001, quando Mitchell apresentou seu relatório recomendando o congelamento dos assentamentos, o número de colonos israelenses residentes na Cisjordânia aumentou em cerca de 70 mil, alcançando um total de 300 mil.

Leia mais sobre Faixa de Gaza

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.