Nações Unidas, 11 mar (EFE).- Os países ricos não sofrerão perda populacional até 2050 graças às dezenas de milhões de emigrantes que receberão das regiões mais pobres do planeta, segundo um relatório divulgado hoje pela ONU.

O estudo atualiza com números de 2008 as tendências demográficas em nível mundial para servir de indicador às análises realizadas pelas diversas agências do organismo mundial.

Os autores do documento confirmam as projeções realizadas há dois anos pela ONU de que a população mundial ultrapassará os 9 bilhões em 2050 e que alcançará 7 bilhões em 2012, um aumento de 200 milhões em comparação com os 6,8 bilhões atuais.

A maior parte dos 2,3 bilhões de pessoas a mais em 2050 vai se originar nos países em desenvolvimento, onde a população passará de 5,6 bilhões, em 2009, para 7,9 bilhões, de acordo com o relatório.

Já a população do mundo desenvolvido experimentará uma leve alta, de 1,23 bilhão para 1,28 bilhão, o que as Nações Unidas atribuíram à emigração.

O documento assegura que, se não fosse pela média anual de 2,4 milhões de pessoas que emigram às nações ricas, a população desses países mais industrializados cairia para 1,15 bilhão até 2050. EFE jju/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.