Emergentes recebem pouco investimento para tratamento de câncer

DUBLIN (Reuters) - O mundo em desenvolvimento só recebe cinco por cento do gasto mundial em tratamento de câncer, apesar de contabilizar cerca de metade dos novos casos e quase dois terços das mortes pela doença, informa um relatório divulgado nesta segunda-feira. A incidência do câncer, que já se acreditou ser uma doença dos ricos, está aumentando em países pobres, e há uma carência de cerca de 217 bilhões de dólares em fundos para o tratamento da doença globalmente, de acordo com um relatório da Economist Intelligence Unit.

Reuters |

O estudo estima que o gasto com novos casos de câncer vai atingir 305 bilhões este ano, e até 2020 haverá 16,8 milhões de novos casos por ano no mundo, comparados aos 12,9 milhões atuais.

O relatório foi divulgado pela Fundação Lance Armstrong, criada pelo ciclista hepta-campeão da Volta da França depois de sua própria batalha contra o câncer de testículo.

Falando em uma conferência global sobre o câncer, organizada pela fundação em Dublin, a ministra irlandesa da Saúde, Mary Harney, disse que pretende buscar a proibição total de câmaras de bronzeamento artificial para reduzir o risco de câncer de pele.

"Está claro que quaisquer decisões que tomarmos aqui precisarão de aprovação da UE", disse ela. "Pode muito bem ser que, no interesse da saúde pública, essa aprovação seja levada adiante".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG