Emboscada maoísta na Índia mata ao menos 75 membros das forças de segurança

Rebeldes maoístas mataram nesta terça-feira 75 membros das forças de segurança indianas em uma emboscada na selva do centro da Índia, anunciou o secretário de Estado do Interior Gopal Pillai, no mais sangrento ataque já realizado pelos insurgentes comunistas.

AFP |

Uma patrulha da CRPF (Força Central da Polícia de Reserva, militar) foi atacada durante a madrugada na selva do leste do Estado e os militares que se apresentaram em reforço se viram cercados por dezenas de guerrilheiros, indicaram fontes policiais.

Presos entre o fogo cruzado das armas automáticas e as explosões de bombas, os 75 agentes paramilitares foram assassinados.


Equipes de resgate colocam militar ferido em ambulância / AFP

Os rebeldes também explodiram um veículo blindado enviado para recuperar os feridos, segundo a polícia e o governo local.

"No total, 100 membros das forças de segurança foram enviados à selva para realizar operações", havia afirmado mais cedo uma fonte das forças de segurança.

Os "terroristas vermelhos", como são chamados pelas autoridades indianas, seriam entre 10 mil e 20 mil insurgentes. Eles alegam lutar em defesa dos camponeses sem terra e, segundo o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, representam a maior ameaça ao país.

O ministro do Interior, P. Chidambaram, condenou o selvagem massacre dos membros das forças paramilitares. "Isso demonstra a natureza selvagem dos maoístas, a brutalidade de que são capazes", afirmou.

Outros ataques

Em março de 2007, 55 policiais morreram no mesmo Estado, depois de um ataque atribuído aos maoístas.

Em meados de fevereiro, os maoístas executaram um ataque contra um destacamento policial no leste da Índia, provocando a morte de 25 pessoas. Eles chegaram em motocicletas, abriram fogo e explodiram bombas.

A guerrilha

Vinte dos 29 Estados indianos, especialmente Jarjand e Orissa, enfrentam desde 1967 focos de rebelião maoísta, em crescente onda de violência.

Um dirigente maoísta propôs no final de fevereiro ao governo um cessar-fogo na condição de que o governo suspenda a ofensiva contra os redutos da guerrilha.

O ministro do Interior reagiu na ocasião com prudência, reafirmando que os guerrilheiros deveriam antes cessar todos os ataques e fazer uma proposta formal.

Leia mais sobre Índia

    Leia tudo sobre: índia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG