Embargo a Cuba acaba antes de 2010, prevê deputado dos EUA

WASHINGTON (Reuters) - O Congresso dos Estados Unidos provavelmente suspenderá o embargo a Cuba antes do final de 2010, disse um influente parlamentar democrata na terça-feira. Charles Rangel, presidente da Comissão de Orçamento da Câmara, disse a jornalistas que ele acha muito provável que a atual legislatura, que vai até o final do ano que vem, suspenda as restrições comerciais em vigor há quase 50 anos.

Reuters |

Rangel, que há muito tempo critica o embargo e que agora chefia a influente comissão responsável por políticas tributárias e comerciais, fez esse comentário em resposta a uma pergunta durante um evento.

Ele salientou, porém, que acha mais prioritário para o atual Congresso reformar o sistema de saúde dos EUA.

No mês passado, o presidente Barack Obama deu um passo no sentido de melhorar as relações com Cuba, ao suspender restrições para viagens e remessas financeiras de imigrantes cubanos para a ilha comunista.

Ele sinalizou que, para obter mais concessões, Havana teria de libertar presos políticos e melhorar a situação dos direitos humanos.

O presidente cubano, Raúl Castro, e seu irmão Fidel manifestam disposição em conversar com os EUA, mas insistem que isso deve ocorrer sem pré-condições e com respeito à sua soberania.

O deputado William Delahunt disse a jornalistas que não espera que seja votado antes de novembro um projeto que permitiria a cidadãos dos EUA viajar livremente a Cuba. "Estamos acumulando apoio. Temos 138 copatrocinadores", disse o democrata, alertando que defensores do embargo estão "gastando enormes quantidades de dinheiro" para se opor à lei.

Também na terça-feira, o representante comercial dos EUA, Ron Kirk, afirmou que Obama está esperando Cuba dar o próximo passo.

"O que o presidente tem dito é que é hora de Cuba demonstrar sua disposição de dar alguns passos e demonstrar algum progresso, e mudar na filosofia do que se refere a direitos humanos e talvez libertar alguns dos prisioneiros."

(Reportagem de Susan Cornwell e Doug Palmer)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG