Embaixada no Suriname orienta brasileiros a evitar áreas de risco

BRASÍLIA - Cinco dias depois do ataque a brasileiros no Suriname, há informações, ainda não confirmadas oficialmente, de novas ameaças em outra região do país ¿ Tabiki, na região norte do país.

iG São Paulo |

A etnia marron - de quilombolas descendentes de escravos africanos surinameses - estaria preparando um ataque a garimpeiros do Brasil que trabalham na extração de ouro na Guiana Francesa, segundo brasileiros que vivem na cidade.

A Embaixada do Brasil em Paramaribo (capital do Suriname) orientou os brasileiros para que evitem as áreas de risco e apelou ao governo surinamês para que intensifique as investigações.

Do grupo atacado na véspera de Natal, um brasileiro pode ter o braço amputado em decorrência de um ferimento causado por facão ter gangrenado .

O padre José Virgílio da Silva, que dirige a rádio Katolica e foi um dos primeiros a dar assistência às vítimas do ataque, afirmou à Agência Brasil que há ainda sete desaparecidos, entre eles, brasileiros. O Itamaraty, no entanto, não confirma essas informações.

Outra preocupação é com denúncias de brasileiros que vivem no Suriname que, durante o ataque, pelo menos 20 mulheres teriam sido estupradas pelos marrons. Nesta terça-feira o Itamaraty confirmou que houve estupros, mas não especificou quantos .

Na segunda-feira, durante conversa da ministra de Negócios Estrangeiros do Suriname, Ligya Kraag-Keteldijk, com o secretário-geral do Itamaraty, Antônio Patriota, o diplomata brasileiro apelou para que todas as informações sejam verificadas e as providências tomadas. Segundo informações do Itamaraty, Kraag-Keteldijk assegurou que todas as medidas necessárias serão implementadas.

Na véspera do Natal, cerca de 200 estrangeiros, entre brasileiros e chineses, foram atacados por quilombolas surinameses na região de Albina ¿ a 150 quilômetros de Paramaribo. O local é habitado principalmente por garimpeiros e suas famílias, que não dispõem de documentos legais. O estopim teria sido um suposto crime envolvendo um brasileiro e um marrom.

De acordo com relatos dos sobreviventes, foi uma noite de terror, com cenas de massacre. O padre José Virgílio foi até o local do crime e registrou em imagens o que restou: casas destruídas, objetos pessoais e sangue. Segundo o religioso, o clima está mais tranquilo, mas a tensão ainda existe na região.

Assista ao vídeo sobre o conflito:

Leia mais sobre: brasileiros atacados no Suriname

Com informações da Agência Brasil e Agência Estado

    Leia tudo sobre: brasileirossuriname

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG