Em versão roqueira, Kevin Costner busca nova relação com o público

Madri, 20 fev (EFE).- O grupo Kevin Costner & Modern West é a reinvenção em forma de banda de rock do ator americano, que diz querer redefinir minha relação com o público, que receba de mim mais do que um autógrafo, disse em entrevista à Agência Efe.

EFE |

Embora poucos saibam, Costner, que se apresenta hoje em Madri como parte de sua turnê europeia, toca com amigos há pelo menos 20 anos.

"Minha mulher foi quem me introduziu na música. Ela passou três anos seguidos dizendo que eu ficava mais feliz quando tocava e eu nunca dei importância, até que um dia subi num palco e as pessoas pareceram gostar", explica o ator.

Costner divide o palco com velhos amigos com os quais aguenta "a dureza da vida na estrada", como John Coinman e Teddy Morgan, que conheceu nos anos 80 em uma oficina de interpretação.

Agora, a mistura de folk e country de Kevin Costner & Modern West, som que ele gosta de definir como "rock do oeste americano", chega pela primeira vez à Europa, coincidindo com o lançamento de seu segundo disco, "Turn It On".

Após o show em Madri e outros dois em Barcelona, sua banda percorrerá o continente europeu fazendo paradas na França, Luxemburgo, Suécia, Finlândia, Dinamarca, Alemanha, Áustria, Polônia e Eslováquia.

Costner defende que não é apenas mais uma estrela de cinema com paixão pela guitarra, como Keanu Reeves ou Russell Crowe, embora seu sucesso na Alemanha, onde fará 15 shows, lembra o que David Hasselhoff viveu em certa época. "É um amigo, mas nós fazemos mais do que versões. Caso contrário, não mereceria o preço da entrada", afirma.

A banda de Costner já conheceu o sucesso de forma inesperada no Japão em meados dos anso 80, com duas canções gravadas apenas para anúncios televisivos que se tornaram muito populares sem que eles soubessem, "Simples Trip" e "Tokyo Convertible", confirma o ator.

Conhecido por controlar a maior parte possível de seus projetos, o Kevin Costner amante da música apareceu em "O Guarda-Costas" (1992).

"Para a música principal da trilha sonora, pensei em um clássico da Motown, 'What Becomes of the Broken Hearted', de Jimmy Ruffin, mas já tinha sido usada em outro filme", lembra. Por isso, optou por uma balada country de Dolly Parton.

Essa canção era "I Will Always Love You", que se tornou o maior sucesso da carreira musical de Whitney Houston, que por sua vez teve lugar em sua mais lembrada incursão cinematográfica.

"Levando em conta que eu também decidi que Houston seria minha companheira de elenco, podemos dizer que ela me deve boa parte de seu sucesso profissional", brinca Costner. EFE hlm/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG