Em seu terceiro dia, a Convenção democrata adquire dimensão épica

Atores ímpares, direção eficaz e, sobretudo, muita emoção: quarta-feira a convenção democrata, anterior à presidencial nos EUA, foi um espetáculo digno de um grande filme épico.

AFP |

Elaborado cuidadosamente para uma transmissão pela televisão e para apresentar o candidato Barack Obama em sua melhor forma, o terceiro dia do encontro do partido no Pepsi Center de Denver (Colorado, oeste) seguiu um roteiro impecável, com cenas dignas de teatro.

Efeito surpresa garantido: Hillary Clinton, vestida com um conjunto verde e sorriso no rosto, não apareceu na tribuna, mas na sala, entre seus eleitores, com os delegados do Estado de Nova York interrompendo a contagem dos votos entre ela e Barack Obama.

"Eu peço que o senador Obama seja escolhido por esta convenção por aclamação como candidato do partido democrata à presidência dos EUA", lançou a ex-primeira-dama, enquanto alguns delegados choravam.

O senador Joe Biden, vice de Obama, também chorou após o discurso de introdução pronunciado por um de seus filhos, procurador de seu Estado de Delaware (leste).

O filho de Biden, reservista que será enviado ao Iraque este outono, emocionou a sala pedindo aos democratas que, durante a presidencial, estejam "presentes por meu pai, como ele o foi para mim".

O filho do candidato à vice-presidente lembrou a história trágica de sua família: ele perdeu a mãe e a irmã num acidente de carro quando tinha apenas três anos. Chamou Jill, a segunda esposa de Joe Biden, que o criou com seu irmão e sua meia-irmã, "minha mamãe", fazendo-a soluçar de tanto chorar.

Antes, o público do Pepsi Center teve direito a um espetáculo de primeira categoria com um Bill Clinton no auge da sua forma que, sem citar nomes, atacou o candidato republicano John McCain e seu próprio sucessor na Casa Branca, George W. Bush.

Recebido por uma ovação digna de uma celebridade da música pop, Clinton teve dificuldades para começar seu discurso. Quando a multidão gritava "Bill, Bill, Bill!", ele respondeu: "obrigada, obrigada... vocês sabem que eu adoro isso!".

Desde o início da semana, a convenção vinha provocando emoções fortes entre os congressistas, com o aparecimento inesperado do senador Edward Kennedy, patriarca do partido, vítima de um câncer incurável no cérebro. Depois, foi a vez da pequena Sasha Obama, 7 anos, desabar em lágrimas ante o público ao dizer: "Eu te amo, papai", durante uma emissão por satélite.

Mas nada poderia competir com a noite de quarta-feira: o aparecimento de Barack Obama no palco, ao final da intervenção de Biden. Ele marcou encontro para o dia seguinte (hoje) com seus eleitores num estádio de 75.000 lugares, onde haverá um "one-man-show" a bilheterias fechadas.

Antes de deixar o cenário, o agora candidato oficial do partido à Casa Branca não esqueceu de agradecer o casal Clinton.

"Acho que o presidente Bill Clinton nos lembrou o que é ter um presidente que coloca os interesses das pessoas antes de tudo", exclamou o senador de Illinois.

Bill Clinton, um veterano da política americana, também ficou neste momento com os olhos cheios de lágrimas.

tq/lm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG