TRIESTE - As potências do G-8 estão divididas quanto ao modo de se posicionarem sobre a controvertida eleição do Irã durante um encontro de chanceleres nesta quinta-feira, na Itália. O governo italiano pressiona por uma dura condenação da violência enquanto a Rússia qualificou a votação iraniana de exercício de democracia.


Chanceleres de nações ocidentais, presentes no encontro do G-8 em Trieste, no norte da Itália, insistem no uso de expressões duras num comunicado final sobre o Irã, onde cerca de 20 pessoas foram mortas em manifestações depois da eleição presidencial do dia 12 de junho.

"Estamos trabalhando em um documento que deve condenar a violência e a repressão e, ao mesmo tempo, enfatizar que os procedimentos eleitorais são assunto interno do Irã", disse o ministro italiano de Relações Exteriores, Franco Frattini.

Mas ele fez uma ressalva: "Nós (a comunidade internacional) não podemos recontar os votos."

O comunicado deve ser divulgado na sexta-feira.

AP

Ativistas fazem protesto em frente ao local de encontro
do G-8, nesta quinta-feira, em Trieste, Itália

Delegados na conferência do G-8, a caminho de um jantar, nesta terça-feira à noite, estavam discutindo sobre o tom do comunicado sobre o Irã, para levar em conta a posição da Rússia, que já afirmou considerar todos os assuntos relacionados à eleição iraniana como assunto interno do país.

Os resultados oficiais indicaram que o conservador presidente Mahmoud Ahmadinejad obteve vitória esmagadora, mas o candidato derrotado Mirhossein Mousavi afirma que a eleição foi fraudada.

O ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, deixou claro que seu país não assinará um comunicado do G-8 de condenação ao modo como o Irã conduziu a eleição.

"Ninguém deseja condenar o processo eleitoral porque é um exercício de democracia", declarou Lavrov a repórteres.

Programa nuclear

A Rússia é uma das seis potências que estão tentando resolver uma antiga controvérsia com o Irã sobre seu programa nuclear.

O Irã diz que busca a energia nuclear para geração de eletricidade, mas potências ocidentais suspeitam que o país esteja tentando desenvolver uma bomba atômica.

"Nós concordamos em buscar uma forma de expressão que nos permita a concentração no ponto principal --seguir adiante para resolver a questão do programa nuclear iraniano", disse Lavrov, depois de manter uma conversa em particular com Frattini.

"O isolamento é uma atitude errada. Engajamento é a palavra-chave", disse Lavrov.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Itália Maurizio Massari afirmou que o G-8 iria expressar preocupação com o programa nuclear iraniano, mas acrescentou: "Queremos manter o quanto possível um clima de diálogo."

Análises:

Leia também:

Leia mais sobre Irã

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.