Em nova aparição pública, Fidel Castro visita centro de pesquisa econômica

Líder cubano conversa com especialistas sobre os perigos de uma guerra nuclear e pede que analisem o tema

EFE |

AP
Fidel Castro em visita ao Centro de Pesquisas da Economia Mundial em Havana

O ex-presidente cubano Fidel Castro visitou na terça-feira, em Havana, o Centro de Pesquisas da Economia Mundial, onde manteve uma reunião com seus especialistas, em sua terceira aparição pública em menos de sete dias, informou na televisão estatal da ilha.

Fidel se reuniu com diretores e economistas do centro durante mais de uma hora, para advertir-lhes sobre os perigos de uma guerra nuclear e para pedir que eles analisem o tema. Após quatro anos afastado da vida pública pela doença que o obrigou a ceder o poder para seu irmão Raúl Castro, Fidel voltou a ser notícia por suas reaparições, a primeira em 7 de julho , quando visitou o Centro Nacional de Pesquisas Científicas (CNIC).

No evento de terça-feira, do qual foram divulgadas fotos, Fidel entregou aos especialistas do centro uma mensagem para que seja partilhada com outros economistas do país e de outras partes do mundo. A esposa de Fidel Castro, Dalia Soto del Valle, e seu filho Antonio, aparecem em uma das fotos. Seu pedido é que analisem os "graves perigos de uma guerra no Oriente Médio" e a "terrível ameaça para nossa espécie que representa a destruição do meio ambiente diante dos nossos próprios olhos".

Segundo a mensagem, ele mesmo solicitou a reunião para pedir que eles façam um trabalho de "ficção científica" e que, nos próximos dias, analisem durante quatro horas diárias "esses delicados assuntos". O propósito, segundo a mensagem de Fidel, seria responder à pergunta que os "países de Nossa América" devem fazer se forem confirmadas suas advertências.

"Se trataria de impulsionar uma nova civilização, a partir dos colossais conhecimentos científicos que nossa espécie possui hoje, para que não se reproduza o que, a meu julgamento, acontecerá", acrescentou. "Sei que alguns companheiros se preocupam seriamente com que eu arrisque minha credibilidade ao afirmar algo tão importante quanto seria um conflito que inevitavelmente se tornaria nuclear", disse Fidel, que acrescentou que, para ele, é mais importante que as pessoas estejam bem informadas sobre os perigos que as ameaçam.

    Leia tudo sobre: CubaFidel CastroRaúl Castropresos políticos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG