O ex-presidente cubano Fidel Castro expôs hoje, em uma carta aos intelectuais e artistas cubanos, que tudo o que debilite a revolução é ruim e criticou modelos sociais que levem ao individualismo e ao egoísmo.


A mensagem foi enviada ao VI Congresso da União dos Escritores e Artistas de Cuba, que começou nesta terça-feira e vai até sexta. 

Castro mostrou seu desacordo com o que denominou "imposto direto" sobre o cidadão, que relacionou ao "tipo de existência prometido pelo imperialismo" e às invenções tecnológicas vendidas no comércio do mundo inteiro, como CDs, DVDs, telefones celulares, internet, microondas e e-mails. 

"A quantidade de dólares que implica e que já implicou a venda de cada um destes produtos contribuiu para colocar 'zeros' nas rendas das multinacionais de maneira inimaginável", expôs.

"Mas é ainda pior que cada um deles (inventos tecnológicos) será substituído por outra invenção mais eficiente, e já não se pode garantir segredo sobre o que um casal conversa em uma agência bancária ou em um parque", acrescentou.

A venda de alguns dos artigos mencionados pelo ex-presidente, antes proibida no país, foi liberada recentemente pelo atual chefe de Estado, Raúl Castro, para eliminar restrições "superadas pelo tempo". 

Na carta, lida no Congresso dos artistas e intelectuais e divulgada no jornal do meio-dia da televisão cubana - a imprensa estrangeira não foi convidada para o encontro - Fidel Castro também declarou, citando o revolucionário José Martí, que é preciso golpear os "corruptos" com "fúria de mão escrava". 

Além disso, criticou "artigos de renomados órgãos de imprensa capitalista" que "falam de nosso país como se fôssemos indigentes" e não "um povo com níveis de educação mínima não alcançados pelos países mais desenvolvidos, com índice de saúde excelente e segurança social talvez alta até demais". 

Neste contexto, convocou os artistas e intelectuais a não deixarem de debater "todos estes espinhosos assuntos" no congresso que foi convocado em um "clima de pluralidade e diversidade de idéias" com o objetivo de fortalecer o socialismo.

As mudanças na ilha até agora:


Leia mais sobre: Cuba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.