Em encontro de ministros, China diz a Japão que não é uma ameaça

Ministro da Defesa chinês sinalizou esforço para diminuir tensões com Tóquio

Reuters |

O ministro da Defesa chinês, Liang Guanglie, disse neste sábado ao seu colega do Japão que o desenvolvimento da China é uma oportunidade e não uma ameaça, em um aparente esforço para diminuir as tensões em Tóquio pela modernização militar do país vizinho.

Em uma reunião nos bastidores de um encontro da área de segurança em Cingapura, Liang disse a Toshimi Kitazawa que a China está "disposta a trabalhar junto com o Japão para aumentar ainda mais a confiança política, a troca, a cooperação e lidar de forma correta com os assuntos sensíveis," informou a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

"A China acredita fortemente na busca do Japão pela paz e no desenvolvimento depois da Segunda Guerra Mundial e considera o Japão um parceiro de cooperação," afirmou Liang.

"Ao mesmo tempo, a China espera que o Japão possa enfrentar honestamente a realidade de que a China busca um caminho de desenvolvimento pacífico, e que o desenvolvimento da China é uma grande oportunidade para o mundo, incluindo o Japão, e não uma ameaça," acrescentou.

O Japão mostra frequentemente certa preocupação sobre o aumento dos gastos chineses com a defesa e a expansão do alcance naval, afirmando que os planos de Pequim têm pouca transparência.

Os dois países estão em desacordo sobre a exploração de gás natural por parte da China no Mar do Leste. Em 2008, os países concordaram em resolver a rixa explorando conjuntamente os campos. O progresso foi lento, e o Japão acusou os chineses de perfurar em busca de gás, violando o acordo.

Os dois países também estão em disputa por um grupo de ilhotas inabitadas, conhecidas como Senkaku no Japão e Diaoyu na China.

Em setembro de 2010, o Japão deteve um capitão de navio pesqueiro chinês depois de seu barco ter colidido com embarcações da guarda-costeira japonesa perto das ilhas. Pequim cancelou encontros diplomáticos em protesto até que ele fosse libertado.

Por seu lado, a China acredita que o Japão nunca se reparou devidamente pela sua brutal ocupação de grande parte do território chinês de 1931 a 1945. Liang convidou Kitazawa a visitar a China no final deste ano, segundo a Xinhua.

    Leia tudo sobre: MUNDOCHINAJAPAOMILITAR

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG