LUANDA - Ao aterrissar em Luanda, capital angolana, o papa Bento 16 fez um grande apelo ao país pela consolidação do processo de reconciliação e de reconstrução, recordando as dificuldades que presenciou na Alemanha, sua terra natal, durante a 2ª Guerra Mundial.


AP
Papa acena ao chegar em Angola
Papa acena ao chegar em Angola

"Recordo a vocês que sou de um país onde a paz e a fraternidade estão nos corações de todos os seus habitantes, em particular dos que, assim como eu, conheceram a guerra e as divisões entre irmãos pertencentes a uma mesma nação devido a ideologias devastadoras e desumanas", disse o papa, recebido no aeroporto pelo presidente angolano, Eduardo dos Santos.

"Por baixo das falsas aparências de sonhos e ilusões, pesava sobre os homens o jogo da opressão", continuou o pontífice, que chegou às 12h40 locais (8h40 de Brasília) em Luanda, após ter passado três dias em Camarões

"Podem entender, então, o quanto eu sou sensível ao diálogo entre os homens como meio de superar qualquer forma de conflito e de tensão e para fazer de qualquer nação, e também a vossa pátria, uma casa de paz e de fraternidade", disse.

Em Angola, Bento 16 encerrará na próxima segunda-feira a última etapa de sua viagem. Nesta sexta-feira, ele se reunirá com o presidente angolano no Palácio Presidencial. Depois, fará um discurso ao corpo diplomático creditado em Angola e se encontrará com os bispos locais.

Leia também:


Leia mais sobre Bento 16

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.