Eleições regionais no México começam sem incidentes

Fepade enviou 54 observadores para os estados onde há eleições para prevenir delitos

EFE |

As eleições para governadores e prefeitos em 14 estados mexicanos começaram na manhã deste domingo sem registro de incidentes apesar das rivalidades entre partidários de distintas forças políticas. A Procuradoria Especializada para a Atenção a Crimes Eleitorais (Fepade) enviou 54 observadores para os estados onde há eleições para prevenir delitos.

No entanto, a procuradora da dependência, Arely Gómez, renunciou a seu cargo na semana passada. A expectativa é de que nos próximos dias passe a ocupar a máxima responsabilidade das procuradorias de ordem federal, entre elas a própria Fepade.

No total, 30 milhões de mexicanos escolherão hoje 12 governadores e quase dois mil prefeitos e deputados estaduais. De acordo com a edição de hoje do jornal "Excélsior", os estados nos quais há eleições hoje concentram 60% dos mais de cinco mil assassinatos cometidos pelo crime organizado registrados este ano no país, assim como 37% da população mexicana.

Um dos estados que têm recebido maior atenção é de Tamaulipas, no litoral do Golfo do México e na fronteira com os Estados Unidos, onde o narcotráfico mostrou seu poder nesta semana com o assassinato de Rodolfo Torre Cantú, candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI) e líder nas pesquisas.

Torre Cantú foi substituído no pleito de hoje por seu irmão Egídio, que votou às 9h30 locais (11h30 de Brasília) acompanhado pela viúva de seu irmão e em meio a um grande esquema de segurança. "Viemos votar, vamos votar", disse Egídio Torre Cantú em breves declarações à imprensa antes de deixar o local de votação.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública de Tamaulipas, nove mil policiais do estado fazem a segurança do pleito deste domingo. Além deles, há a presença de forças federais. Em Chihuahua, o estado mais violento do país, também na fronteira com os EUA, as atenções também estão redobradas depois do assassinato de um prefeito no mês passado e uma correspondência contendo ameaças que circulou entre eleitores e funcionários eleitorais nos últimos dias.

Outro estado em situação semelhante é o de Sinaloa, no litoral do Oceano Pacífico e berço histórico do narcotráfico mexicano. Lá, casas de candidatos a governador foram alvo de ataques com coquetéis molotov nas últimas semanas. De acordo com a imprensa mexicana, a candidata conservadora Xóchitl Gálvez, que concorre ao governo do estado de Hidalgo, na região central, denunciou que policiais seguiram sua equipe e a Procuradoria estadual fez buscas ontem à noite em sua casa.

    Leia tudo sobre: eleiçõesméxico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG